Portugal é grande quando abre horizontes

21
Mai 12

A cimeira do G8, que teve lugar há dois dias, já passou à história. Quem se lembra hoje do que foi discutido na altura? O facto de ter sido colada à cimeira da NATO fez esquecer o evento. Alguns talvez ainda tenham presente que a Grécia foi o tema central. Mas a Grécia já não é notícia, é um enredo sem fim.

 

O que vai ficar do G8, receio, será aquela fotografia que mostra os líderes a ver o jogo do Chelsea contra o Bayern de Munique. Uma fotografia interessante, pois revela reacções diferentes, das mais espontâneas até ao ar pesado e preocupado de Durão Barroso. Por que razão estaria com aquela cara tão enfadada? Haverá alguma coisa que não lhe está a correr bem? 

 

http://www.gettyimages.be/detail/nieuwsfoto's/in-this-handout-provided-by-the-white-house-prime-nieuwsfotos/144886951

publicado por victorangelo às 20:32

19
Mai 12

Vladimir Putin é o grande ausente da cimeira do G8. Fez-se representar por Medvedev, com a desculpa que está muito ocupado em Moscovo, com a formação do novo governo.

 

Em matéria de política internacional, esta ausência é uma manifestação de desagrado, que procura atingir sobretudo o país anfitrião, neste caso, os Estados Unidos. Creio, no entanto, que o Presidente Obama, em vez de se sentir ofendido, agradeceu o gesto. Vladimir é um conviva embaraçoso, numa altura de eleições presidenciais na América. Quanto mais longe, melhor.

publicado por victorangelo às 22:03

16
Jul 09

 

O meu texto na revista VISÃO que hoje chegou às bancas trata do G8. Faço uma análise do que está para além da boca de cena. Os bastidores levam, de facto, um certo número de questões, incluindo os pontos fundamentais da legitimidade e da representatividade do G8.

 

A prazo, a fórmula está condenada. Será preciso alargar a participação e inserir o processo no quadro da reforma das Nações Unidas.

 

O artigo pode ser lido no sítio da revista

 

http://aeiou.visao.pt/para-alem-da-boca-de-cena=f516686

 

Ficarei, como sempre, muito grato pelos comentários que os leitores tenham a bondade de fazer no sítio on-line da VISÃO.

publicado por victorangelo às 17:43

09
Jul 09

 

Já podem ler e comentar o meu texto on-line na Visão desta semana:

 

http://aeiou.visao.pt/os-tremores-do-g8=f515776

 

Trata-se de uma reflexão sobre a cimeira do G8. L' Aquila, a localidade onde decorre a reunião, é terra de tremores. Berlusconi, o actor principal da coreografia dos líderes, sofre de outros tremores, que lhe afectam a imagem.

 

E o nosso compatriota de Bruxelas, também presente na cimeira, anda a tremer, sem saber o que lhe vai acontecer depois do Verão.

 

É, de facto, um encontro em que muitos tremem.

 

 

publicado por victorangelo às 14:57

09
Abr 09

 

 

Copyright V. Ângelo

 

Este quadro, pintado há 25 anos pelo artista moçambicano Mankeu, e que faz parte da minha colecção pessoal, deveria ter sido exposto na sala de Londres onde o G20 se reuniu. Para que quem manda não se esqueça do sofrimento de quem só tem a pobreza como companhia.

publicado por victorangelo às 20:17

27
Ago 08

 

‘A Margem do G8
Victor Ângelo
 
 
Esquecendo o espectáculo e as manifestações habituais, as promessas que se repetem sobre a luta contra a pobreza ou as alterações climáticas, a cimeira anual do G8, que este ano decorreu no Japão, convida-nos a reflectir sobre quatro questões que não podem ficar esquecidas.
 
Em primeiro lugar, temos que reconhecer que a economia internacional esta’ a viver um processo acelerado de mudança estrutural, que se tornou particularmente nítido nos últimos dois anos. O exemplo mais flagrante tem que ver com os aumentos muito significativos dos preços das matérias-primas, sobretudo do petróleo, e dos cereais. Os níveis actuais de preços, que subiram nos meses recentes com uma rapidez nunca vista em períodos de paz, vão manter-se. A tendência e’, aliás, para que continuem a aumentar. Este facto exige ajustamentos de fundo, sobretudo nas economias mais desenvolvidas, que são a espinha dorsal do G8. Já não se trata de um puro problema inflacionário, mas sim de um fenómeno com implicações sistémicas, que necessita de transformações de longo fôlego. No curto prazo, será necessário fazer frente a situações sociais de grande gravidade, e não apenas nos países menos desenvolvidos. A própria Europa, sobretudo a periferia pouco sofisticada a que Portugal pertence, vai conhecer um novo tipo de pobreza. Para muitos de nós, cheira a crise.
 
Temos, em seguida, a questão das economias emergentes e do peso que passaram a representar nas relações económicas internacionais. Não são apenas os casos mais falados da China, que se tornou a terceira potência económica mundial, e da Índia, que se esta’ assentar a sua transformação no conhecimento tecnológico e na formação cientifica. Há todo um conjunto de novos actores económicos, alguns dos quais foram convidados para almoçar em Hokkaido. Para se perceber melhor a sua importância crescente, basta ter presente que nos últimos dezoito meses houve uma transferência adicional de recursos financeiros dos países consumidores de petróleo para os produtores na ordem dos quatro triliões de dólares. Pode dizer-se, simplificando, que a capacidade produtiva e comercial está de um lado e o poder de compra está do outro.
 
Em terceiro lugar, as economias, e por isso, também as políticas, estão hoje mais interdependentes. Mas a globalização tem novos contornos. Significa, por exemplo, que a economia americana se encontra dependente, de um modo vital, da importação de capitais estrangeiros, que compensem a falta de poupança interna. Ou ainda, que a Europa já não consegue crescer se não houver prosperidade e estabilidade nos países para onde exporta uma parte importante da sua produção. Ou que a China entraria em contracção se as barreiras alfandegárias nos mercados de destino se tornassem intransponíveis. Com a interdependência está a aparecer, nas populações dos países mais desenvolvidos, um clima de receio. As pessoas, habituadas a um nível de vida que agora parece estar ameaçado, têm medo do futuro, da globalização, do resto do mundo, dos grandes espaços económicos e políticos, da emigração. Dos outros, simplesmente. Há, cada vez mais, um fechar-se sobre si próprio, ao nível nacional ou local.
 
Finalmente, todas estas questões levantam o problema fundamental do funcionamento desajustado das instituições internacionais. A reforma das estruturas que gerem as relações entre os estados e’ cada vez mais urgente, para que se tenham em conta as novas realidades. O Conselho de Segurança das Nações Unidas, os organismos financeiros globais, em especial o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional, a Organização Mundial do Comercio, as estruturas ‘a volta da União Europeia, as agências de ajuda ao desenvolvimento, são elementos de uma rede institucional internacional que não consegue encontrar respostas para os desafios que o mundo do Século XXI enfrenta.
 
 
 
 
 
 
 
 
publicado por victorangelo às 22:27

twitter
Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
15
17
19

21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO