Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

O G7 está num processo de viragem

https://www.dn.pt/opiniao/inquietacoes-um-g7-muito-combativo-13692454.html

Este é o link para o meu texto desta semana -- de hoje -- no Diário de Notícias. 

Cito o último parágrafo dessa crónica de opinião.

"O secretário de Estado americano foi a Londres propor um novo prisma de abordagem estratégica. Antony Blinken defende que o grupo não pode ser apenas um mecanismo de coordenação das grandes economias capitalistas. Deve transformar-se numa plataforma de intervenção política das democracias mais influentes. Isto é a expressão de uma crença prevalecente na atual administração americana de que os EUA têm uma missão – a de salvar as democracias. Para alguns de nós, aqui na Europa, uma proposição desse tipo gera três tipos de inquietações. Uma, relacionada com a crescente marginalização do papel político da ONU. A outra, com o agravamento da polarização das relações internacionais. A terceira, com o peso que um fantasma chamado Trump ainda poderá vir a exercer na política americana."

Liderar é saber escolher entre opções difíceis

https://www.dn.pt/opiniao/horizontes-e-equilibrios-europeus-13499513.html

O meu texto de hoje - desta semana - no Diário de Notícias pode ser lido na página acima mecionada. 

Transcrevo de seguida o último parágrafo do meu texto.

"A redefinição do papel da NATO é necessária. O horizonte que temos pela frente é muito diferente do passado. Convém, no entanto, que nos interroguemos sobre qual deverá ser, na verdade, o nosso espaço prioritário de defesa. Também convirá debater qual é o ponto de equilíbrio entre uma Europa virada para um futuro euro-asiático e a história do nosso engajamento euro-atlântico. Vejo aqui duas variáveis que devem ser equacionadas. Uma tem a ver com o nosso relacionamento a prazo com a Rússia. Vladimir Putin não é eterno. A Rússia faz parte da nossa vizinhança estratégica, das nossas complementaridades económicas e das nossas referências culturais. A outra diz respeito à autonomia de defesa e segurança da UE. Deve ser objeto de reforço permanente, sem, todavia, pôr em causa os nossos compromissos históricos com a Aliança Atlântica. Tempos de incertezas exigem que saibamos claramente que equilíbrios manter, e que caminho escolher. Trata-se de combinar coragem com visão."

 

Atenção às linhas vermelhas

Gostamos de falar de linhas vermelhas. Depois, quando elas são ultrapassadas, fechamos os olhos e inventamos uma desculpa para não ter de agir. Disse hoje a um amigo que está na política para não pensar que os chineses também agem assim. Quando o homem forte que agora é Xi Jinping diz que é uma linha vermelha é melhor dar atenção a isso e ter uma resposta preparada. Estamos perante uma nova China. A melhor solução é levá-la a sério.

Um momento de grandes perigos

A hostilidade entre os Estados Unidos e a Rússia, bem como a tensão com a China, atingiram novos níveis de virulência, que se traduzem não apenas em palavras, mas também na adopção de medidas concretas, de sanções, de restrições comerciais, de emissão de visas, etc. Estamos a viver, ao nível internacional, uma escalada da rivalidade entre as grandes potências. Nenhuma quer dar parte de fraqueza. O diálogo que propõem, quando tal acontece, acaba por ser um diálogo de surdos. Não há comunicação. Cada lado procura apenas repetir a sua posição, de um modo intransigente. É um contexto internacional preocupante, numa altura em que o mundo está a enfrentar uma epidemia de enormes proporções.

Fazem falta vozes que falem de paz, de cooperação, de esforços conjuntos. Faltam personalidades com coragem e autoridade moral para apelar ao bom senso, ao sentido de responsabilidade, para sublinhar os perigos que temos pela frente se se continuar na trajectória actual.

A União Europeia e a China

Nos últimos cinco anos – e a tendência continua – a China tem sido o parceiro comercial mais importante da Alemanha. Em termos de importações, por exemplo, a Alemanha importou da China em 2020 mercadorias no valor de 116 mil milhões de euros. E, apesar da pandemia, o comércio entre ambos cresceu 3% em relação ao ano anterior.

Tudo isto tem grandes consequências geopolíticas. A posição da Alemanha no que respeita à China pesa muito na definição da política da União Europeia. É isso que explica a aprovação, uns dias antes do final do ano passado, do acordo mútuo EU-China sobre investimentos.

A França e a Itália também têm interesses económicos importantes, quando se trata da China. Mas ficam muito atrás da Alemanha.

Um intelectual cansativo

O meu amigo é um português de gema que gosta de discorrer sobre relações internacionais e geopolítica. Ainda bem, que assim se ganha uma perspectiva mais ampla do contexto em que nos inserimos. O problema é a rigidez e o viés da análise. Cada incursão num tema leva-o sempre à formulação de críticas acerbas aos dirigentes europeus e às posições políticas ocidentais, independentemente da justeza ou não da decisão em causa. Por exemplo, quando estão em jogo Angela Merkel e Vladimir Putin, o seu raciocínio consiste em dar a volta aos factos e justificar ou procurar desculpar o líder russo. Na pior das hipóteses, Putin é descrito como sendo anti-ocidental e nunca se faz referência ao despotismo que o inspira ou à corrupção que é um dos pilares da sua política. O meu amigo acha que ser de esquerda é proceder assim, apoiar quem nos é hostil. Também acha que, ao apresentar as coisas dessa maneira, está a ser mais esperto do que os outros. Na realidade não faz análise, toma partido e faz política. E ao fazê-la, esquece-se dos nossos interesses. Pensa apenas na imagem que quer projectar, a de um estratega, quando na realidade pouco mais é do que uma espécie de irmão metralha, estudioso e activo, mas que confunde a esquerda com o deita-abaixo. Amigos assim, evito, pois são, além do mais, cansativos.

Venenos e diplomacia firme

Comprar a edição do Diário de Notícias de hoje é gastar 3 euros bem gastos. O jornal está muito bem feito e tem uma série de histórias humanas bem contadas bem como um excelente naipe de opiniões com interesse. A minha coluna de opinião desta semana tenta responder à questão do relacionamento da União Europeia com a Rússia, numa altura em que várias questões – e não apenas o envenenamento de Alexei Navalny – estão em cima da mesa. Faço, igualmente, uma breve referência à China, por comparação com a Rússia.

O link para o texto:

https://www.dn.pt/edicao-do-dia/05-set-2020/para-alem-do-veneno-12624386.html

A Grécia e a Turquia

Terminamos o dia com uma situação muito complicada no Mar Mediterrâneo Oriental. O exercício conjunto, que a Grécia está a levar a cabo, com a participação das forças armadas de Chipre, França e Itália, é uma resposta forte à Turquia, que prolongou a prospeção de gás em águas contestadas pela Grécia. Trata-se, acima de tudo, de uma escalada do conflito que opõe os dois vizinhos, a Grécia e a Turquia.

 

Uma vacina ideológica

Vladimir Putine aprendeu a fazer política com o Partido Comunista da União Soviética. E continua a ver o mundo como se via nessa altura, uma competição entre os Soviéticos e o Ocidente. Mostrou-o claramente quando hoje anunciou que o seu país descobrira uma vacina contra o coronavírus, muito antes dos outros. Uma vacina a que chamou de Sputnik, um nome dos tempos da corrida para o espaço. Como se, em vez de estarmos a enfrentar uma pandemia, estivéssemos numa competição dos tempos da Guerra Fria. O problema é que o desenvolvimento da chamada vacina não seguiu os protocolos científicos que estão claramente definidos pela OMS. É uma vacina política, própria de um dirigente que foi educado para pensar que a ideologia é mais importante do que a ciência.

A ameaça que está no nosso seio

O maior perigo para uma organização não vem de fora, da competição ou dos adversários. A experiência mostra que, na maior parte das vezes, a verdadeira ameaça é a interna. Não será bem um Cavalo de Tróia, mas não andará geograficamente longe. Por isso, em matéria de defesa da Europa, haverá que repensar o assunto com muita seriedade.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D