Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Fui ao talho

O hábito é ir uma vez por semana ao talho. São vinte minutos a pé, para cada lado, o que faz um bom trajecto enquanto exercício. A carne é de boa qualidade e a melhor é mais barata do que em Portugal. Por exemplo, o bife do lombo de vaca fica à volta de 15 euros o quilo, o que é menos de metade do que pago em Lisboa. E há uma excelente variedade de fiambres e de pâtés.

Hoje foi dia de ir. Aproveitei para perguntar qual tem sido a reacção das pessoas em termos de compra de carne. Sabia que tem havido uma quebra considerável na compra de legumes frescos e de fruta da época, já que as pessoas preferem fazer reservas de congelados. A resposta foi de que há um aumento considerável na procura de carne. Aparentemente, as famílias estão a comprar para congelar. Têm receio que o circuito da carne seja perturbado pelo fecho sucessivo de certas actividades económicas. Também, porque ainda não se atingiu o pico da crise e se continua a falar de novas medidas, ainda mais restritivas.

Há inquietação no ar. Tudo parece estar sereno, mas a verdade é que as pessoas vivem um clima de incerteza. E ninguém sabe como tratar a incerteza. Por isso, o congelador dá muito jeito. Não sei se houve um aumento das vendas de congeladores. Não me admiraria.

A imprevisibilidade dos dias que correm

Curiosamente, este ano os melros voltaram, depois de vários anos de ausência. Tenho um casal no meu jardim, que passou o dia a construir um ninho. Muito atarefados, mas sempre com um olho posto nos gatos da vizinhança, que vêem os nossos jardins como um terreno de prática da caça.

Não sei se chegarei a conhecer os futuros ocupantes desse ninho. Em princípio, deveria mudar-me definitivamente nos primeiros dias de Abril. Uma mudança radical de vida, mais uma a juntar a muitas outras. Agora, nestes tempos de incerteza, nada é claro.

Uma das dimensões da crise é a indefinição, a impossibilidade de imaginar os dias futuros com um mínimo de probabilidade. Para quem tem as suas rotinas definidas, isso não constitui um grande problema. Mas quem anda por outros horizontes fica com a impressão que está num jogo de roleta. Apostar no imprevisível é coisa de loucos.

A vida do meus melros é diferente. Está cheia de esperanças. Mas também aí, é o acaso que pesa mais. Para aumentar as suas chances, constroem o ninho num galho mais alto. A altura traz mais segurança, quando se trata dos felinos, mas cria instabilidade, o ramo abana mais com o vento, aumentando assim o risco de queda dos pintainhos. Espero, por isso, que as próximas semanas sejam amenas. É uma aposta no factor sorte.

A minha luta contra o vírus

O termómetro cá de casa passou os últimos anos na gaveta dos remédios, em perfeito isolamento. Hoje, lembrei-me de pegar nele, não para matar saudades, mas para fazer um teste de temperatura. Não resultou. O termómetro havia transitado para o mundo dos objectos recicláveis.

Peguei em mim e fui à farmácia da esquina, para comprar um outro. A jovem ajudante farmacêutica olhou-me com um ar de quem olha para um ser vindo de um planeta distante e disse-me que termómetros, não há. Estão esgotados há semanas e nem sabe quando chegará uma nova remessa. Acrescentou, com a simpatia que lhe conheço de há muito, que não vale a pena que eu ande pelos cantos de Bruxelas à procura da coisa. Estão esgotados em toda a cidade.

Voltei para casa, e ao longo dos duzentos metros que me separam da farmácia, fiquei a pensar que o meu combate contra o famoso vírus fica agora em desvantagem. Também pensei que é difícil de perceber a razão para que uma coisa tão banal esteja indisponível. Isto do comércio da saúde tem que se lhe diga.

O mundo da bola

Nunca assisti a um jogo de futebol que contasse para um qualquer campeonato. Num estádio, claro, que na televisão vi vários. Lembrei-me disso, hoje, e fiquei com a impressão que as minhas origens devem estar num outro planeta. Depois, recordei que há muitos anos, quando me perguntavam qual era o meu clube, respondia não ser adepto de nenhum. As pessoas ficavam, então, a olhar para mim. Não sei se era apenas surpresa ou também um misto de estranheza, como quem encara um bicho bizarro.

A verdade é que o mundo da bola é um universo à parte.

Os verdadeiros e os falsos Pais Natais

A minha neta tem agora nove anos, a caminho dos dez. Este ano, percebeu pela primeira vez, essa história a que nós, os adultos, chamamos de Pai Natal. Reagiu bem, no entanto. E mostrou que era preciso não deixar o primo, o meu neto de sete anos de idade, perder os seus sonhos sobre a famosa personagem natalícia.

Disse-me que, quando se tem sete anos, era necessário acreditar nos mais velhos. Manter essa confiança, nessa idade, é essencial. E que, mais tarde, é importante continuar a viver certas historietas, mesmo sabendo que, na verdade, não passam de meros contos de fadas.

Acreditar por que se quer, mesmo sabendo que a realidade é outra, dá asas à imaginação. E não é mesma coisa que engolir as falsas realidades, e a água benta, que os políticos nos trazem para a televisão. Por exemplo, aquele senhor que nos veio agora falar do Sistema Nacional de Saúde. Não é nenhum Pai Natal e só acredita nele quem anda de olhos fechados e tem mais de sete anos de idade.

 

 

 

O Menino Jesus envelheceu

Por esse mundo fora, o Pai Natal roubou o protagonismo ao Menino Jesus. É Pai Natal para aqui, Pai Natal para acolá, do Oriente ao Ocidente, do Norte ao Sul. O centro comercial substituiu a cabana da vaquinha e do burrito, o centro comercial é o novo Presépio. São os tempos modernos, a era do marketing, do consumo e da ostentação, os novos símbolos da vida de agora.

O Menino Jesus transformou-se, com o tempo, num velho de barbas brancas, estranhamente vestido de vermelho, com um grande saco de mercadorias feitas na China às costas.

Haja festa, pois então. E um feliz Natal.

 

Cabeça de garoupa no Natal

Ontem, no pequeno supermercado Continente aqui do bairro, o Menino Jesus ganhou a forma de uma cabeça de garoupa.

Tinha ido, com a minha chefe cá de casa, comprar peixe ao supermercado. Trata-se, por razões que têm que ver com os hábitos adquiridos noutras infâncias, debaixo de outros céus, de uma expedição delicada. Chegados ao balcão, tínhamos à nossa frente um senhor da nossa idade, mais coisa menos coisa. Ouviu a sugestão que fiz, que ia na direcção de um linguado de bom porte, e a resposta da minha contraparte, que dizia que a garoupa lhe parecia uma melhor opção.

No seguimento, o senhor quis que lhe passássemos à frente. Tentei perceber porquê tanta amabilidade. Acabou por confessar que a sua intenção era a de comprar a cabeça dessa mesma garoupa. Que coincidência! Eu, como sempre, ia pedir ao peixeiro para cortar a cabeça da garoupa e botá-la, de seguida, no balde dos restos. Em casa, a minha chefe não deixa entrar cabeça de peixe, com aqueles olhos grandes fixos nela, acusadores, atemorizantes. Ofereci a cabeça ao senhor, para seu grande espanto, primeiro, regozijo, depois.

E lá fomos juntos para a caixa, ele com cabeça limpa, cortada ao meio, pronta para a sopa, nós com o corpo do bicho e a alegria de um Natal partilhado. Paguei a conta, que desta vez até me pareceu mais ligeira.

Depois, a garoupa no forno soube melhor e passou a ter uma historieta para contar.

Uma travessia que está por contar

Os oito imigrantes ilegais que desembarcaram no Algarve, vindos de Marrocos, segundo se diz, devem ser interrogados com muita atenção e perícia. O caso pode ter mais ramificações do que possa parecer. É, de qualquer modo, uma situação que não se pode explicar pela simples travessia do mar. Nas condições em que dizem tê-lo feito, a história não parece credível.

E, em princípio, devem ser deportados sem demoras, a não ser que existam razões legítimas, que justifiquem um outro tipo de tratamento.

Esta é uma frente de intervenção em matéria de segurança interna que exige cuidados especiais.

O vendedor de óculos de sol

Ninguém lhe pergunta pelo nome. Há anos que passa o dia na esplanada da rosa-dos-ventos, junto ao Padrão dos Descobrimentos, em Belém. A vender óculos de sol. Durante alguns anos, foi o único vendedor. Agora, o sítio está cheio de “ciganos”, como ele diz, todos no mesmo negócio. Ele também é cigano, mas de outra estirpe, um verdadeiro senhor, sem sotaque e sempre bem apresentado. Elegante, à sua maneira, que quem vende deve inspirar confiança.

Para quem passa, hoje ou frequentemente, é apenas um velho cigano que por ali anda, 67 anos de idade, a tentar vender uns óculos que poucos compram. Na verdade, com a concorrência que por ali há agora, tem dias em que vende apenas um par. Diz que mesmo assim vale a pena, que isso o ajuda a passar o tempo, permite-lhe sair de casa, longe do rio, na zona de Loures.

Nestes últimos tempos, anda encostado a uma canadiana. Tantos anos de pé, à volta do mundo que está desenhado no chão da rosa-dos-ventos, deram-lhe cabo de ambos os joelhos. De vez em quando não se aguenta nas pernas e cai. Mas com a afluência de turistas, há sempre quem o ajude a levantar-se. Um vendedor de óculos de sol vive e sobrevive de pé.

Está inscrito no Hospital de Loures há muito mais de dois anos, para fazer a operação que os joelhos lhe pedem. No chamado Serviço Nacional de Saúde. Já o convocaram, há cerca de um ano, para falar com o anestesista. E depois, é só esperar. E lá continua à espera, talvez mais um ou dois anos. Nessa altura, já deverá andar de cadeira de rodas, sempre à volta do mapa do mundo. O SNS pode não funcionar, mas a vida de vendedor ambulante não pode parar.

Entretanto, vai-se consumindo na resignação revoltada de quem não tem nome nem acesso. E de quem sabe o que significa ter que esperar pelo SNS.

O Diamantino é, afinal, à sua maneira, como muitos de nós.

 

A minha normalidade e os outros

Hoje estava um dia feio, cinzento, um céu muito fechado e a ameaçar chuva. Fiz a minha caminhada no parque, como de costume e apercebi-me que era a única pessoa normal que por ali andava. Os outros, a começar pela minha mulher, estava todos com abafos e anoraques. Eu, com um pólo de manga curta e pouco mais. Roupa de fins de maio, que aí estamos. E senti-me bem, por ver que ainda havia uma pessoa com juízo nesta terra: este vosso amigo!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D