Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

O tempo de Joe Biden

Joe Biden tomou posse como o 46º presidente dos Estados Unidos e Kamala Harris, como vice-presidente. O discurso inaugural mostrou um presidente cheio de energia, apesar da idade, e com ideias claras. Também revelou que a reconciliação nacional é uma das suas preocupações. Num país que foi em parte intoxicado pelas mentiras de Donald Trump e dos seus acólitos, a reconciliação é certamente uma prioridade.

Abre-se, assim, uma nova página, na cena doméstica e na internacional. Irei escrever na minha coluna do DN de sexta-feira sobre a “nova América”.

Entretanto, felicito e desejo os maiores sucessos à administração Biden.

A nossa responsabilidade

A vitória eleitoral de Joe Biden e Kamala Harris traz uma certa dose de optimismo à União Europeia. É evidente que o relacionamento entre os Estados Unidos e a Europa será muito mais positivo do que tem sido até agora, durante o mandato de Donald Trump. Estou de acordo com essa maneira de ver. O que me parece errado é voltar a insistir numa relação de subordinação, com a Europa a desempenhar o papel de fraco. Ora, várias reacções europeias têm ido nesse sentido, a insistir numa postura política em que um lado protege e o outro se sente mais seguro. Está errado. A Europa tem de tratar da sua defesa e segurança de modo mais autónoma. Sabendo o que se sabe sobre o funcionamento actual da NATO, é evidente que a defesa europeia, da responsabilidade dos europeus, deve ser uma prioridade.

A Europa e os Estados Unidos: pensar o futuro

https://www.dn.pt/edicao-do-dia/07-nov-2020/estados-unidos-depois-da-confusao-13008375.html

Este é o link para o texto que hoje publico no Diário de Notícias, edição em papel. 

Foi um texto difícil de escrever, pois na altura da escrita ainda não era claro o que iria acontecer. Agora, com Joe Biden declarado vencedor, o texto torna-se mais actual. O debate sobre o futuro das relações entre os Estados Unidos e a Europa não se deve resumir a declarações ocas de amizade mútua. Tem que ser visto numa perspectiva de longo prazo e não esquecer que os Estados Unidos estão cada vez mais afastados da realidade europeia. 

Os loucos americanos

Vi o debate, em directo, entre Mike Pence e Kamala Harris. A discussão foi viva mas dentro das regras do civismo. Mike Pence repetiu, com mais inteligência e melhor oratória, muitas das fantasias e demagogias que o seu chefe propaga a toda a hora. Não terá convencido ninguém, para além dos que já decidiram apoiar tudo o que Donald Trump diz. E faltou-lhe a dimensão humana, o sorriso e a empatia. A maneira como fala transmite uma imagem dura e inflexível. Projecta uma imagem azeda. Kamala Harris teve o mérito de mostrar que a política que defende tem um lado humano. Sempre sorridente e descontraída, deixou-nos uma imagem mais simpática. A radicalização que se vive nos EUA – e que é provocada pela maneira como Donald Trump faz política – não terá permitido a Harris convencer novos eleitores. Mas saiu-se bem e não desapontou quem quer votar democrata.

A radicalização actual é um problema muito grave. Explica o que hoje foi revelado em Michigan, uma conspiração de extremistas apoiantes de Trump, que preparavam há meses um golpe armado contra a Governadora democrática desse estado e contra as instituições da governação. Era um plano de loucos, para além de ser uma conspiração criminosa. Mas a loucura política é uma das principais consequências da governação de Donald Trump. Num país como os EUA, com gente armada por todos os lados, leva à violência.

Assim, e voltando ao debate e ligando este à questão da violência, a maior preocupação que ficou um vez mais no ar diz respeito à aceitação dos resultados eleitorais. Pence não respondeu à questão se aceitaria ou não uma derrota. Isso é muito preocupante. É cada vez mais óbvio que o seu campo, a começar por Trump, não está disposto a aceitar a derrota eleitoral. Isso pode levar a uma crise fracturante e a cenas de violência armada nas ruas de certas cidades. O partido republicano tem que se pronunciar quanto antes sobre essa questão.

Nunca pensei que estaria a escrever sobre este assunto em relação aos EUA. Vivi situações parecidas em certas partes do mundo e sei o que isso pode acarretar. Agora a questão põe-se em relação aos EUA. De acto, o ano de 2020 é um ano completamente diferente do habitual. Um ano que nos deixa boquiabertos e que desestrutura tudo o que aprendemos. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D