Portugal é grande quando abre horizontes

30
Jun 19

No meu entender, seria errado ver o encontro entre o Presidente dos Estados Unidos e o Líder da Coreia do Norte através do prisma do cinismo. Haverá quem o faça, é óbvio. Eu, não.

Numa altura de grandes tensões internacionais, olhar para o que se passou hoje na Zona Desmilitarizada e não ver nada de promissor no acontecimento, não me parece adequado. Não é uma questão de se ser, ou não, ingénuo. Temos na Península da Coreia uma das situações mais explosivas, de entre as que se observam em vários pontos do mapa-múndi. A resolução desse conflito não se fará por vias tradicionais, tendo em conta as personalidades dos actores principais e a complexidade da questão.

Encontros como o de hoje podem ajudar imenso. Sobretudo tendo presente a maneira de fazer política de Donald Trump e de Kim Jong-Un. Neste tipo de crises, tudo depende deles, da seu orgulho e empenho pessoal. A imagem conta enormemente.

Não será todos os dias que o direi, mas hoje o Presidente dos Estados Unidos surpreendeu pela positiva.

 

publicado por victorangelo às 17:23

02
Mai 17

http://visao.sapo.pt/opiniao/opiniao_victorangelo/2017-05-02-Inquietacoes-de-inicios-de-maio

Este é o link para o texto que hoje publico na Visão on line.

Escrevo sobre a eleição presidencial, a da França, primeiro. Depois, sobre a que terá lugar na Coreia do Sul, passados dois dias. E claro, sobre o tratamento a dar a Kim Jong Un, o ditador do Norte.

publicado por victorangelo às 22:23

05
Jan 14

A matilha voltou novamente a devorar a credibilidade da comunicação social. É um espectáculo triste, que traduz bem a qualidade das decisões tomadas pelos editores de jornais e imprensa considerados sérios. E, quando foi repetida e ampliada nas redes sociais, mostrou de novo a ingenuidade que povoa esses meios de comunicação.

 

Tudo começou pela publicação, num jornal de Hong Kong que é lido pelos feirantes de rua locais, enquanto esperam pelos clientes – um pasquim que passa o tempo a inventar historietas de face e alguidar e outras coisas fantásticas, quando não está ocupado a vangloriar as políticas do Partido Comunista Chinês, um partido que retribui esse serviço com um apreço zero pelo jornal em questão. Um dez dias mais tarde, na altura do Natal, quando muitos jornalistas estão de férias e é preciso encher as páginas com qualquer coisa, um jornal mais conceituado, creio que de Singapura, pegou na invenção produzida em Hong Kong e deu-lhe uma pincelada de profissionalismo.

 

A partir daí, a “notícia” correu meio mundo e ganhou estatuto. Incluindo na imprensa portuguesa de referência. Chegou-se ao pormenor de dizer que eram 120 mastins, veja-se bem, 120, uma multidão fora do senso destas coisas, o que significa que cerca de 110 não comeram nada e ter-se-ão devorado uns aos outros.

 

Tudo isto, uma idiotice a acrescentar à loucura de sobrinho assassino, que despachou o tio à boa maneira das ditaduras militares, frente a um pelotão de fuzilamento. Como é do conhecimento de certas embaixadas, “geralmente bem informadas”.

 

Quem não anda bem informado é que depende apenas de alguma comunicação social.

publicado por victorangelo às 09:55

twitter
Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
15
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO