Portugal é grande quando abre horizontes

03
Abr 19

A experiência ensinou-me que o problema não consiste em o governo ser de esquerda ou de direita. Muitas vezes, as diferenças programáticas entre ambos os lados são apenas ligeiramente perceptíveis. Não há grande diferença entre o Manuel e a Manuela.

O problema da governação existe quando nos defrontamos com uma mistura desastrosa que combina incompetência com oportunismo. À esquerda ou à direita, líderes incompetentes e trapaceiros trazem para o poder afilhados e apaniguados igualmente nulos, gananciosos e corruptos. Os que mandam rodeiam-se de quem não os ponha em causa. Fica tudo ao mesmo nível de inépcia, de mesquinhez e de cupidez.

E, assim, o país não avança.

publicado por victorangelo às 15:27

23
Mar 19

A liderança política tem que saber libertar grandes paixões, emocões e energia colectiva. Tudo pela positiva e por um futuro melhor.

publicado por victorangelo às 17:13

12
Mar 19

Quando os líderes políticos andam à deriva, qualquer pedaço de madeira é visto como uma tábua de salvação. Ou, pelo menos, como uma oportunidade para proceder a uma reviravolta e salvar a pele.

publicado por victorangelo às 14:49

09
Mar 19

Por hábito e, tantas vezes, para salvar a pele, o político acaba sempre por criar uma grande confusão. Assim, na mesma lógica, quando se trata de um partido político, a confusão pode ainda ser bem maior. E confusão é confusão, não se trata da nobre prática da ambiguidade.

publicado por victorangelo às 10:08

06
Mar 19

Quando se trata de assuntos de Estado, sobretudo dos interesses estratégicos da comunidade nacional que somos, tem que se pensar com realismo, com equilíbrio e ter uma visão de longo prazo. O oportunismo e a superficialidade só coincidirão com os interesses fundamentais da nação por obra do acaso. Não são, por isso, a marca de uma boa liderança.

publicado por victorangelo às 14:47

22
Fev 19

As pessoas que podemos considerar como pertencendo às elites gostam de repetir que vivemos numa época muito interessante e estimulante. Os que vivem de rendimentos dos sectores financeiros, ou estão ligados às actividades das grandes multinacionais, dizem-no ainda com mais entusiasmo. É aí que encontramos os grandes defensores da internacionalização das economias e da liberalização do comércio mundial. E da revolução digital, que traz ao seus mundos ganhos de eficiência, de flexibilidade e de tempo.

As elites são gente que sorri.

Na sua euforia, esquecem-se dos outros. De quem não tem as qualificações necessárias para acompanhar as transformações científicas e tecnológicas. Dos que ficam para trás. Dos que olham para o presente e antevêem o futuro com imensa preocupação e uma grande dose de pessimismo.

Os outros. As pessoas que perdem, ou sobrevivem, apenas. Gente que quando ouve globalização lhes soa a exclusão. Gente com dúvidas e muito medo.

Cabe aos líderes políticos responder a esses receios. Ou seja, encontrar o equilíbrio entre um mundo mais aberto, e em renovação acelerada, e a salvaguarda dos interesses e da dignidade de todos os cidadãos. Em particular os que a vida, por uma variedade de razões, foi deixando à beira do caminho do futuro.

O ponto de partida, para os políticos, deve ser simples. Dito em poucas palavras, isso significa ter claro, nas suas mentes, que a transformação tecnológica da economia, a inovação acelerada com base na Inteligência Artificial e a abertura ao mundo não podem ser feitas à custa da marginalização de camadas significativas das nossas populações europeias. O discurso político e os planos de acção, aos níveis nacional e europeu, têm que se concentrar nas questões de inclusão. Para além da educação e da formação contínua, e da informação inteligente, as políticas devem promover novas formas de estar em sociedade, de se ser socialmente respeitado. Tem que se ganhar um novo entendimento do que significa ser-se socialmente útil. Isto inclui o engenho de novas maneiras de assegurar um mínimo de rendimento mensal aos que possam ter mais dificuldade em inserirem-se no mundo novo.

Tudo isto, sem tirar a cada pessoa a responsabilidade individual, que é sua, perante o seu destino.

A ideia é clara. O futuro constrói-se à força de braços, indivíduo a indivíduo, família a família, mas não só. Precisa de um quadro político que tenha em conta as variáveis do mundo de agora. Aí, entram as lideranças políticas e os seus deveres.

 

 

publicado por victorangelo às 11:51

26
Jan 19

Sempre, mas sobretudo numa altura de grandes desafios, a voz de quem ocupa uma posição de autoridade deve ser clara. Cada resposta deve ser credível e fácil de entender. E expressa de um modo sereno.

publicado por victorangelo às 22:37

13
Jan 19

A actualidade dos dias recentes lembraram-me que a credibilidade é o principal atributo que um político deve ter. Coerência e coragem de ideias, vida pública e privada sem sombras que levantem suspeitas, dedicação à causa comum, capacidade de falar com franqueza, maturidade e experiência, são as características que definem a credibilidade de um político. Só quem as tem é que pode ter ambições de liderança.

Por outro lado, quando a generalidade dos políticos é pouco ou nada credível, estamos a abrir as portas aos populistas, aos bota-abaixo, e a todos os que passam os dias a dizer que os políticos são todos iguais. Ou seja, estamos a criar condições para que proliferem as abstenções e as alienações, ou mesmo, para que surjam rebeliões arruaceiras e “salvadores da pátria”. É, então, o sistema democrático que estará a ser posto em causa.  

A actualidade dos dias recentes lembraram-me que a credibilidade é o principal atributo que um político deve ter. Coerência e coragem de ideias, vida pública e privada sem sombras que levantem suspeitas, dedicação à causa comum, capacidade de falar com franqueza, maturidade e experiência, são as características que definem a credibilidade de um político. Só quem as tem é que pode ter ambições de liderança.

Por outro lado, quando a generalidade dos políticos é pouco ou nada credível, estamos a abrir as portas aos populistas, aos bota-abaixo, e a todos os que passam os dias a dizer que os políticos são todos iguais. Ou seja, estamos a criar condições para que proliferem as abstenções e as alienações, ou mesmo, para que surjam rebeliões arruaceiras e “salvadores da pátria”. É, então, o sistema democrático que estará a ser posto em causa.                                                                                                                    

 

 

 

 

                                                                                                                

 

 

 

publicado por victorangelo às 15:31

20
Out 17

Uma das leituras que faço do Conselho Europeu que terminou há pouco diz respeito a Donald Tusk. Tusk saiu desta cimeira com uma autoridade reforçada.

Há aqui matéria para reflexão.

Donald Tusk não é um grande orador, quando se exprime em inglês, uma língua muito diferente da sua língua materna. Mas no que diz nota-se sinceridade e sentido das proporções. Estas duas características, que muita falta fazem a muitos dirigentes políticos, dão-lhe credibilidade e permitem ver em Donald Tusk um líder que a Europa respeita.

 

publicado por victorangelo às 21:52

27
Fev 17

Vivemos num período de trapalhadas políticas, de lideranças medíocres e de oportunismos descarados. Não será pior do que noutros períodos da história recente, dizem alguns. Não sei se têm razão. Sei apenas que os casos de incompetência e de corrupção se sucedem, aqui e noutros países da Europa. Veja-se o caso Fillon, em França. Ou a enorme rede de abusos de poder na região belga da Valónia, em que certos dirigentes políticos se aproveitaram dos seus cargos para se fazerem nomear – e aos seus acólitos – para a administração de dezenas de empresas públicas, regionais e municipais. Alguns presidentes de câmara ocupavam, em simultâneo, até 30 lugares em diversos conselhos de administração, tudo remunerado mas sem que houvesse uma qualquer prestação efectiva de trabalho.

Em Portugal, as listas de arguidos aumentam todas as semanas. Gente que fora dada como boa está agora com um processo às costas. É verdade que muitos desses processos passam anos a marcar passo. E ficam depois em águas de bacalhau. Mas, entretanto, serviram para desacreditar ainda mais as nossas elites políticas e dos negócios. E isso é meio caminho andado para a germinação do populismo.

 

 

 

 

 

 

publicado por victorangelo às 19:44

twitter
Abril 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
11

18

22
23
24
25
26
27

28
29
30


<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO