Portugal é grande quando abre horizontes

25
Set 15

Último dia em Riga. Ontem tinha um convite para visitar o museu do KGB, que está instalado no local onde a polícia política soviética prendia os dissidentes e os interrogava, com a violência que se imagina.

Decidi não ir. Estava com pouca vontade de passar uma hora e tal a ver coisas deprimentes e de ouvir histórias pessoais de quem por lá passou, noutros tempos, ou contadas pelos familiares que sobreviveram. Todos sabemos o que foi o KGB e não existem dúvidas sobre os métodos que utilizava.

A Letónia de que gosto é a que olha para a frente, de maneira disciplinada e elegante, a que procura criar uma economia moderna na Europa a que pertence. A Letónia dos parques, das flores, do bom gosto e da modernidade. E que consegue ultrapassar o passado e viver em harmonia com a sua minoria russa e com as memórias.

Depois, ao fim do dia, estive numa discussão formal sobre as relações com a Rússia actual. E, também aí, o que conta é o futuro, uma boa compreensão dos objectivos essenciais de cada parte, e não os fantasmas de outros tempos.

publicado por victorangelo às 18:38

19
Set 15

Tive hoje mais uma lição sobre a burrice humana e o perigo das ideias extremistas, das loucuras políticas, dos idealismos sem pés nem cabeça, dos regimes ditatoriais que dizem promover o bem do povo e o oprimem sem dó nem piedade. Ou seja, visitei o bunker – em português há quem utilize a palavra “casamata” – que havia sido construído pelos Soviéticos para proteger, em caso de crise muito séria, os líderes comunistas que dirigiam a Letónia.
A edificação está situada no meio de uma floresta a cerca de 65 quilómetros a Leste de Riga. São dois mil metros quadrados debaixo do solo, coroados com um centro de reabilitação ao nível da superfície, para disfarçar o que está por debaixo.
Custou uma fortuna e não serviu para coisa alguma. Nunca houve nenhuma crise, nem mesmo uma catástrofe natural, que justificasse o emprego, 24 horas por dia, de 250 homens – não havia mulheres no bunker – e um consumo descomunal de gasóleo e de outros meios, absolutamente necessários para permitir que houvesse vida debaixo da terra.
Várias salas têm citações completamente abstrusas atribuídas a Lenine, coisas que ele nunca terá provavelmente dito, mas que convinha colocar sob o seu nome, para lhes dar força. E a única sala com um mínimo de espaço e de toque humano, e mesmo assim, tudo isso muito grotesco, era a que estava reservada para o secretário-geral do Partido Comunista na Letónia. Os sucessivos secretários-gerais devem ter passado, no total, tudo bem somado, três ou quatro dias nessa sala.
Tudo isto, agora, faz rir. Mas tal não era o caso, no passado recente.

 

publicado por victorangelo às 19:17

15
Set 15

Esta é a altura do ano em que os compromissos me trazem a Riga. Assim acontece, de há cinco anos para cá. E para quem vem de Lisboa, Riga é uma lufada de tranquilidade, de parques e flores, de beleza urbana e de gente com maneiras. A cidade funciona bem, os prédios, muitos deles do estilo Art Nouveau, estão bem tratados – tem havido muito trabalho de renovação nos últimos anos – o mercado central é um prazer para os olhos e uma oportunidade de apreciar o custo de vida – que continua muito mais em conta do que em Lisboa.


Este ano, com a história das sanções, os Russos fizeram de Riga um destino menos frequentado. Foi uma vingançazinha do lado do Vladimir. Em resposta às restrições europeias, o homem do Kremlin e os seus amigos aconselharam os russos a ir a banhos aqui ao lado, no enclave que a Rússia tem no Báltico e cuja capital é Kaliningrado. Até um festival anual de música, que tinha lugar nos arredores de Riga foi este ano mudado para o enclave russo.


Assim é a política nestas paragens.

publicado por victorangelo às 19:27

11
Set 15

Para quem quer ir para o centro da cidade, o preço é fixo – 15 Euros, para uma distância de cerca de 10 quilómetros – e paga-se num balcão na área das chegadas. O táxi está imediatamente disponível, limpo, com a internet sem fios gratuita e rápida. O rádio permanece desligado. O motorista veste-se com rigor e tem uma excelente apresentação. Não abre a boca, a não ser para responder a alguma pergunta que lhe seja feita. Durante o percurso, nunca ultrapassou os limites de velocidade nem nada que se parecesse com uma manobra perigosa. E em poucos minutos estávamos no centro de Riga.

 

publicado por victorangelo às 20:38

02
Out 14

Transcrevo abaixo o texto que hoje publico na Visão impressa.

Boa leitura.

 

O póquer de Putine é uma distração perigosa

Victor Ângelo

 

 

Gostaria de resumir as semanas que acabo de passar em Riga com uma metáfora. Putine está a jogar póquer, forte e feio, e nós, no lado ocidental da Europa, achamos que se trata apenas de uma partida de bisca lambida. Neste jogo, cheio de incertezas, é preciso saber como lhe parar a mão. Foi essa a principal preocupação que encontrei nos países bálticos. Existe um novo receio em relação à Rússia, maior que no passado recente. A Estónia, a Letónia e a Lituânia sentem-se ameaçadas. Não apenas em virtude do que tem acontecido na Ucrânia. Os incidentes com a força aérea russa, nomeadamente as incursões no espaço báltico e os voos de caças com os sistemas de identificação desligados, têm sido frequentes este ano, como se Moscovo estivesse a testar a capacidade de reação do adversário. Para mais, sabe-se que Putine ordenou que fossem levados a cabo uma série de exercícios militares de envergadura e que multiplicou a capacidade combinada das suas forças, em regiões de fronteira com aquela nossa parte da Europa.

Ninguém tem uma bola de cristal que permita prever o futuro. À partida, nestas coisas, não se pode ser alarmista. Mas também não é bom andar a dormir na forma. Há que reconhecer que o paradigma das relações entre a UE e a Rússia precisa de ser revisto. A resposta à postura de Putine deve ser multidimensional. Tem que ser apropriada, clara e firme. Acima de tudo, prudente. A prudência passa por saber ver os riscos possíveis, preparar as medidas de contenção necessárias e não ter medo de agir.

Para começar, é importante recordar que a paz e a prosperidade de ambos os lados da Europa têm assentado e devem continuar alicerçadas no respeito pelas normas e os acordos internacionais e por relações económicas estáveis. A Rússia, que exporta anualmente mais de 100 mil milhões de euros de gás e petróleo para consumo na UE, está tão dependente de nós como nós estamos dela. Somos parceiros comerciais de monta. A interdependência económica deve ser acompanhada pela cooperação política. Há aqui um equilíbrio entre princípios e interesses que é mutuamente necessário e vantajoso.

Por outro lado, há que ter em conta que os países bálticos são membros da OTAN. Serão os estados mais expostos, pela sua proximidade geográfica, mas a sua defesa é fundamental, não só para os seus povos, como também para a credibilidade da Aliança Atlântica. Putine poderá pensar, como alguns dos seus conselheiros de geoestratégia imaginam, que em caso de intervenção russa numa área limitada dos bálticos, por um qualquer motivo, a OTAN ficaria paralisada por falta de consenso interno e acabaria por engolir uma situação do tipo da Crimeia. Poderia mesmo vir a desintegrar-se enquanto estrutura comum de defesa. Essa maneira de imaginar a resposta aliada parece-me irrealista. A recente visita de Obama a Tallinn serviu precisamente para mostrar que um passo agressivo, para além da linha de fronteira, provocaria, do lado da OTAN, uma resposta à medida.

Penso que ninguém de bom senso quer uma confrontação bélica no nordeste da Europa. Se isso viesse a acontecer, teria consequências imprevisíveis. Não há, nesta parte do mundo, possibilidade de circunscrever um conflito militar a uma pequena zona bem determinada. Qualquer choque armado levaria a uma catástrofe inimaginável.

Perante isto, o que se pede a todos os líderes, de Moscovo a Bruxelas, de um lado e do outro, passando por Washington, é que tenham juízo e coragem. Há outros desafios comuns bem mais importantes.

 

publicado por victorangelo às 22:52

21
Set 14

No mercado central de Riga, as espinhas de salmão fresco estavam hoje a € 0,60 por quilograma. Os restos da barriga do peixe, o que sobra quando os filetes são preparados, custavam € 0,70 por cada quilo. Cortados com arte, esses restos tinham uma excelente apresentação. Na sopa dos reformados – esta categoria de cidadãos constitui uma boa parte da clientela do mercado – a apresentação também conta.

 

Do outro lado, do lado da carne, o mais barato eram os nacos enormes de toucinho, pura gordura de porco cortada a preceito: 0,70 euros por quilo.

Ver e contar estas coisas dá-nos outro ângulo.

 

Mais. Devo acrescentar que tudo se passa com muita elegância e saber estar nos espaços colectivos, na rua e na praça, que a última coisa que uma pessoa deve perder é a dignidade, o respeito, a começar pelo respeito por si própria. Quem viu coisas bem piores, a ocupação nazi, os tempos estalinistas, as deportações, a repressão violenta da cultura e da língua letãs, os invernos gelados, a repressão feroz, sabe que as espinhas de peixe têm um valor relativo.

publicado por victorangelo às 13:16

15
Set 14

A Letónia vai a votos a 4 de outubro. Trata-se de eleger um novo parlamento. Existem quatro partidos com peso parlamentar e mais nove que também concorrem.

 

Curiosamente, estou em Riga há uma semana e ainda não vi um simples cartaz, para já não falar de manifestações públicas, levadas a cabo por qualquer um dos partidos. Ainda ontem dei a volta ao mercado central e para além das frutas, legumes, peixe e carnes, e muitas flores, nada de política. Quem não souber que as eleições estão à porta anda por aqui e não se dá conta que estamos a menos de três semanas do dia de votar.

Estranha maneira de fazer política.

 

Nas eleições anteriores, o partido mais votado –Harmonia, uma formação de centro-esquerda, se se pode falar de esquerda e de direita nesta terra – ganhou o maior número de votos. Mas como se trata de um partido “etnicamente russo”, como por aqui se diz, os outros, de extração letã, uniram-se para impedir que Harmonia viesse a formar governo. Veremos o que vai acontecer agora. Com a tensão que existe em relação à Rússia de Putine, uma vitória de Harmonia, se vier a acontecer, irá deixar, de novo, os outros partidos em transe.

publicado por victorangelo às 19:09

03
Out 13

Escrevo hoje na Visão sobre a Letónia, o ajustamento financeiro que tem estado a levar a cabo e a sua adesão ao euro, em Janeiro de 2014. 

 

O texto pode ser lido através do link seguinte:

 http://bit.ly/15K9gOF

Espero que considerem o texto interessante. Tem muito que ver com a nossa realidade. 
publicado por victorangelo às 19:50

15
Set 13

É delicioso passear nas ruas do centro de Riga, a capital de Letónia. A maioria está fechada ao trânsito de automóveis, naquelas em que há carros, circula-se com calma e prudência. Logo isto faz uma grande diferença. Há toda uma zona de parques e de passeios entre as flores. E a maioria, se não todos, os prédios de Art Nouveau foram reabilitados e são um prazer para os olhos e a alma.

 

Respira-se tranquilidade nesta cidade. E beleza humana, que ninguém sai à rua arranjado de qualquer maneira. Antes pelo contrário. A rua é algo de solene e de bem tratado e esse ambiente exige que as pessoas tenham um comportamento adequado.

 

Respira-se, igualmente, patriotismo e fé no futuro. Encostada que está às costas do gigante russo, a Letónia é fundamentalmente um país que quer ser ocidental e do mainstream europeu. 

publicado por victorangelo às 15:37

28
Set 12

Uma noite serena na cidade velha de Riga. É sexta-feira à noite, está tempo seco, 14 graus, a juventude veio para o centro da cidade. Trata-se de hábito que surgiu após a queda da União Soviética. Dá prazer ver as pessoas a desfrutar a tranquilidade de uma capital bonita, limpa e bem restaurada. E ver a beleza desta juventude. Há muita gente muito bela.

 

Dei a ultima volta, depois de dezassete dias na cidade, pela urbe antiga. Amanhã, a direcção é Frankfurt e assim sucessivamente. 

 

Quando cheguei, no início desta estada, e voltei à Academia de Defesa da Letónia, o edifício cheirava a pintura fresca. De facto, embora tivesse sido pintado há um ano, voltaram a faze-lo agora, antes do começo do nosso exercício. Para que tudo esteja apresentável e para honrar quem vem de fora. Lembrei-me, então, da rainha de Inglaterra. Elizabeth II quando sai do palácio em visita a qualquer ponto do reino fica sempre com a impressão que a Grã-Bretanha cheira a tinta...Creio que achará, ao fim de tantos anos de reinado, que assim é. Na verdade, é penas um país pintado de fresco, antes da chegada da rainha. 

 

Em Portugal, como as coisas estão agora, penso que seria assobiada. E talvez levasse com uma lata de tinta na cara. Andamos com as estribeiras perdidas, diria gente com um pouco de bom senso...É ou não é verdade?

 

 

publicado por victorangelo às 18:26

twitter
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO