Portugal é grande quando abre horizontes

03
Set 10

Um percurso ou uma viagem, que mais é uma vida?

 

Tony Blair acaba de publicar as suas memórias de homem público com muitas confissões privadas. De tudo o que o que escreve sobre a sua viagem pessoal, sobressai a personalidade de um político que pensa que o mundo deveria girar à sua volta, que não perdoa nem se autocritica, que está convencido que sempre teve razão. Mas o mais feio, são os ataques pessoais a um outro político, de quem foi muito amigo, companheiro de vitórias eleitorais,  e que agora atraiçoa. Talvez porque atacar os outros seja uma maneira de desviar as atenções das nossas insuficiências e erros.

 

Também, porque ajuda a vender papel. 

publicado por victorangelo às 11:57

18
Jun 10

José Saramago deixou-nos hoje. Sentimo-nos mais pobres. Foi um português que não teve medo de abrir novas frentes, ao desafiar constantemente a nossa maneira tradicional de pensar. Com ele, com as suas frases intermináveis e as suas alegorias, muitos de nós aprenderam a pensar sem barreiras. A deixar voar o olhar crítico sobre nós próprios. A saber que todas as interrogações são legítimas. 

 

Gente assim cabe dificilmente no Portugal que temos. Por isso, foi viver para a porta ao lado. É melhor para os nervos. E envia um sinal que poucos entendem, mas que deveria voltar à baila, neste momento da sua viagem definitiva para o espaço das memórias. A mensagem que continuamos a fechar os nossos horizontes, a viver agarrados à sotaina das ideias de outrora, num círculo de vistas estreitas, que acaba por excluir as mentes livres e criadoras.

 

Por isso, alguns continuam a morrer no exílio.

publicado por victorangelo às 19:58

04
Jun 10

Esta tarde, passei cerca de uma hora a observar a multidão que percorria a Rue Neuve, em Bruxelas. Esta artéria é a zona comercial por excelência da capital belga. Situada exactamente no centro da cidade, estava, hoje como sempre, cheia de gente. Havia de tudo, de todas as origens, de culturas muito diversas. Sobretudo, muitos jovens.

 

Como é possível que haja tanta gente a passear e a fingir que faz compras, durante as horas de trabalho? Esta foi uma das interrogações que me passou pela cabeça. A segunda foi, como Bruxelas mudou! Ainda me lembro da cidade quando os metecos, como eu, eram a excepção. Quando a polícia identificava sistematicamente quem tivesse cara de ser de fora. Agora seria uma tarefa infindável.

 

A presença de comunidades das mais variadas extrações é actualmente uma das características da velha Europa. A variedade trouxe abertura de espírito, riqueza cultural, e mão-de-obra jovem. Não nos podemos esquecer disso, nesta altura em que as crises podem fazer voltar os velhos espantalhos do racismo e da xenofobia.

publicado por victorangelo às 21:35

04
Abr 10

 

Copyright V.Ângelo

 

Neste Domingo de Páscoa convido o leitor a visitar a Igreja Matriz de Birao, capital da região de Vakaga, na República Centro-Africana, bem perto da fronteira com o Sudão.

 

Com o tempo, a igreja, que como deve ser, está situada na zona central de Birao, perdeu os fiéis. Hoje é um edifício sem vida, numa terra que é cada vez mais islâmica. O Islão conseguiu penetrar ao nível popular, ganhar raízes locais, sobreviver às crises políticas e aos conflitos armados. A região está, hoje mais do que nunca, virada para o Sudão muçulmano. Bangui, a capital da RCA, fica longe, o cristianismo é uma religião de brancos e de gentes das cidades, um mundo distante, estranho, nestas terras bem estranhas.

 

 

publicado por victorangelo às 18:55

23
Set 09

 

Ontem foi um dia agitado. Primeiro, foi a viagem para Abéché. O jacto é rápido, mas estreito e com sete passageiros fica muito cheio. 'A chegada, primeiro telefonema na linha de urgência: um dos nossos aviões sem piloto acabara de se estatelar em Goz Beida. Trata-se de um modelo militar, com cerca de um metro ou pouco mais de comprimento, umas câmaras. Mas a primeira notícia foi que "...um avião havia caído."

 

Felizmente que é bem mais pequeno e muito mais barato do que um 747...

 

Mesmo assim, custa caro e causou agitação, chamadas telefónicas da presidência da república, do governador, do chefe que é general, de jornalistas...Podia ter caído em cima de muita coisa. Pessoas, casas, vacas, cabras, mesmo ums meras galinhas. Tivémos sorte. Foi esmagar-se perto do quintal do governador local, mas sem outros estragos. Embora pequeno, faz mossa. Mas a maior mossa foi a perda deste aparelho que tanto jeito nos faz, quando se trata de tirar umas fotos dos rapazes maus...

 

Depois, um dos nossos veículos foi atacado à mão armada em Farchana, no mercado da localidade, nas barbas de toda a gente. Passavam cinco minutos das 11 horas. Como era um carro da equipa de desminagem, tinha explosivos e outras pequenas maravilhas a bordo. Dois homens de metralhadora em punho, bandidos das terras bravas, levaram-no para o Sudão. As autoridades fronteiriças sudanesas colaboraram connosco e o veículo foi recuperado, já do outro lado da raia. O Leonardo, um grande oficial da PSP que é o nosso chefe de segurança na região, organizou uma expedição. Para recuperar a máquina e os bens. Assim acontecerá, mas é preciso ter paciência.

 

Seguiu-se a reunião com as ONGs internacionais. Para falar do medo que começa a existir, face à possibilidade de raptos. Uma grande nacionalidade ocidental é particularmente visada. Corre o boato, aqui e no Darfur, que esse país paga resgates...Logo, é um bom negócio apanhar gente com esse passaporte...

 

Continuei o dia tendo um encontro com os guardas prisionais. Ou melhor, com os nossos conselheiros em matéria de prisões. As condições de detenção são abomináveis. Os presos passam o dia acorrentados, para que não se escapem. Mesmo assim, muitos acabam por fugir. Só não precisam de ser guardados os prisioneiros que sabem que se voltarem para a sociedade serão eliminados pelos familiares das suas vítimas. Prisioneiros assim sentem-se em segurança nas prisões desta terra.

 

Seguiram-se reuniões sobre os direitos humanos, a questão do recrutamento de mulheres para a polícia, os soldados nepaleses que chegaram com armas mas sem munições, os soldados que estão destinados a ser uma força de intervenção rápida e que vieram equipados como se fossem meros sentinelas, o planeamento da transferência de um campo de 28 000 refugiados da zona da fronteira para uma outra localização.

 

Finalmente, chegou a hora de voltar a N'Djaména. Mais 800 quilómetros de distância a percorrer. No que seria para muitos um fim de dia bem preenchido. Mas não. Na capital, havia outras matérias à espera. Falar com Nova Iorque, enviar o telegrama das actividades do dia, ver em que ponto está a investigação para apanhar uns tipos que gostam de dar uns tiros de metralhadora nos trabalhadores humanitários, falar para Bangui, ver se os embaixadores do Conselho de Segurança sempre podem visitar o Leste em Outubro, etc, etc.

 

Mais tarde, passar ainda, cinco minutos, por uma recepção, só para marcar presença. E provar o vinho branco.

 

Chegar finalmente a casa, responder a uns mails, telefonar para o estrangeiro, preparar o blog, ler os jornais do dia.

 

Há dias piores.

publicado por victorangelo às 21:13

26
Ago 09

 

A vida é dura, nestes cantos do mundo. Para quem aqui nasceu. Também para aqueles que por aqui andam. A violência faz parte do quotidiano.

 

Dizia-me alguém, hoje, a partir de Lisboa, que sente a falta de África. Mas bem vistas as coisas, a falta sentida era a das grandes paisagens, dos espaços e das cores. É esta a memória que resta, quando, depois de muitos anos, se deixou o Continente para trás. A sensação de que o mundo nos pertence.

 

Vinha isto a propósito da experiência, ontem, em Zanzibar, de uma pessoa próxima. Dez minutos para tomar o pequeno almoço, antes de apanhar o barco para Dar-es-Salaam. O tempo suficiente para que um rato de hotel limpasse o dinheiro deixado no quarto, os cartões, o telemóvel.

 

Depois, é o pânico em terra alheia.

 

Apenas um exemplo.

 

Nestas terras, olho vivo não é suficiente. É preciso estar sempre com os faróis ligados, sempre em pé-de-guerra...

 

Mas, de facto, as paisagens...

 

E Zanzibar...Onde organizei, estávamos em 1995, as primeiras eleições multipartidárias, que em seguida foram roubadas pelo meu amigo...o Presidente...

 

 

publicado por victorangelo às 22:40

twitter
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO