Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Não é tempo de silêncios

O meu texto de hoje no Diário de Notícias tem duas mensagens muito simples, sobre um tema muito complexo. A primeira é que a pandemia da covid traz consigo a oportunidade de pôr em causa uma série de questões políticas. E a segunda refere-se ao papel dos líderes numa situação de grandes incertezas. Quem está à frente de instituições de peso internacional tem a responsabilidade de falar claro sobre o mundo de amanhã, o mundo pós-covid, e de sugerir um conjunto de transformações que tornem o nosso planeta mais solidário e mais sustentável. Num período de crise profunda como o actual, haverá muita gente pronta para repensar as suas vidas e a vivência colectiva de uma maneira diferente. Mas precisam de linhas de direcção, de um quadro de referência. Cabe aos líderes com autoridade moral falar abertamente sobre as alternativas que definem a encruzilhada que agora vivemos.

 

 

 

Sem prioridades e contas não há plano que valha

Hoje só vou acrescentar que um plano de recuperação e transição para uma nova economia e uma sociedade mais equilibrada, no período pós-covid, não se pode resumir a uma conjunto de banalidades, generalidades e lugares-comuns. Tem que ter prioridades e estimativas orçamentais. O resto, é apenas conversa, mais cópia e cola. Não convence quem precisa de ser convencido. Não chega para mobilizar recursos. Não é para levar a sério.

É preciso formular um plano coerente

Vários países europeus já elaboraram um plano económico de recuperação e de transição. Não ficaram à espera da aprovação dos fundos e das modalidades propostas pela Comissão Europeia. Definiram as suas prioridades e aprovaram somas colossais para financiar as prioridades identificadas. Uma análise rápida desses planos mostra quais são os sectores considerados como merecendo uma atenção muito especial. São os chamados sectores estratégicos. Vejo seis, que aparecem de uma maneira ou outra na visão do futuro: a promoção da economia digital, o reforço da segurança cibernética, a modernização dos sistemas de educação, a expansão dos serviços de saúde pública, a revolução energética e a facilitação da mobilidade dos cidadãos, dos produtos industriais e dos serviços.

Os Estados membros que já definiram esses planos de acção colocaram-se na linha da frente. Para além dos recursos próprios, irão ser dos primeiros a beneficiar dos fundos europeus que venham a ser aprovados. Os outros, incluindo Portugal, andam a fazer politiquices em vez de planeamento. Confundem reuniões, incluindo as de alto nível, com a necessidade de definir políticas de retoma e de transformação. Esquecem-se, também, que sem planos coerentes não haverá acesso à nova facilidade europeia de financiamento.

Será que é difícil de compreender como se deve trabalhar, quando se trata de obter recursos excepcionais, susceptíveis de dar a volta à crise económica?

 

Olhares e reflexões

Passei a parte final da tarde a falar do passado. Três horas. Junto da Torre de Belém, que também nos lembra o que já fomos. É cansativo recordar quase cinco décadas de vida adulta. E de repente, alguém nos diz que esta conversa sobre factos e pessoas de ontem está muito entremeada com análises do presente e olhares sobre o futuro. Tinha que ser. Com a realidade tão complexa que temos pela frente, é impossível não ligar o que se aprendeu e viveu ao que poderá acontecer na era pós-covid. Com realismo, tanto quanto possível. Pensando no pior e na sua prevenção. É assim que se deve encarar o futuro, numa situação como a actual. Não se trata de pessimismo. Trata-se de procurar evitar o pior.

Depois, já em casa, soube que o Primeiro-Ministro da Austrália, Scott Morrison, prepara o seu país para que possa enfrentar um mundo, o de amanhã, que será “mais pobre, mais perigoso e mais desordenado”. Anunciou isso hoje. Poderemos não estar de acordo com as medidas que está a planear. Mas temos que reconhecer que as suas palavras nos fazem reflectir.  

O Apocalipse com limão

Foi mais um dia agitado, como têm sido os dias dos últimos dois meses. Passei o tempo a correr atrás dos “Cavaleiros do Apocalipse” dos tempos modernos, como repetia um dos intervenientes do debate que tive a responsabilidade de coordenar – uma discussão sobre o que aí vem, após a confusão em que vivemos – e a compra de sorvete de limão, que se tornara imperiosa, no fim de um almoço de magras costeletas de borrego.

O interveniente sobre os cavaleiros – que na tradição bíblica representam a peste, a guerra, a fome e, no final, seria de esperar, a morte,  – discorreu longamente sobre os quatro de agora. Ou seja, segundo ele, as desigualdades sociais ligadas às precariedades de todos os tipos; a catástrofe climática; o esboroamento das democracias, graças à maneira de fazer política de certos chefões democraticamente eleitos e que rapidamente se transformam em abusadores do poder; e o quarto cavaleiro, representando a imigração em massa de populações em fuga, por várias razões, e à procura de céus mais favoráveis.

Devo confessar que a referência ao tema bíblico e aos homens a cavalo me apanhou desprevenido. Há muito tempo que não ando por essas leituras. Mas a síntese dos temas a ter em conta, na Europa desenvolvida que a Bélgica representa, ficou a trotar na minha cabeça. Há muita gente a pensar no futuro, depois do choque pandémico. Cada vez aparecem mais obras e clubes de pensadores sobre as mudanças que deveriam ter lugar e o mundo que aí vem. Curiosamente, os intelectuais falam da necessidade de mudança e os políticos focalizam-se na reposição do que havia em janeiro ou fevereiro deste ano. Uma vez mais, a política e a intelectualidade andam a girar em rodas diferentes. Os cavaleiros e os fulanos dos BMWs da política movimentam-se em pradarias distintas.

Entretanto, chegou a hora do almoço. Que nos veio lembrar que estamos dependentes da globalização da produção alimentar e do resto. As costeletas, cortadas todas por igual, com o mesmo formato e peso, vinham da Nova Zelândia, que é um país que não fica aqui ao pé da porta.

Este é o mundo em que estamos, antes e, provavelmente, depois da crise. Como o meu pessoal é exigente, o que resta de uma dose de três costeletas de borrego, depois de retirada a parte da gordura e os ossos, que a casa não rói essas coisas, é pouco. E surgiu então um novo cavaleiro do infortúnio, um drama doméstico – não havia sorvete de limão no frigorífico, que era a sobremesa que os bichos exigiam, salvo seja. E lá fui eu a correr ao supermercado que se situa duas ou três ruas mais ao lado, e que é o único aqui na zona que tem sorvete artesanal italiano, para comprar o que o borrego pedia.

Pensei que assim andamos, sempre a passar do global e da produção de massa ao artesanato sofisticado e exclusivo. Na verdade, o cavaleiro da precariedade, de que o académico falava esta manhã, é mais e acima de tudo, um mensageiro das disparidades sociais e das incongruências que nos animam. E que o sorvete, ao preço que custa, nos ajuda a lembrar, para além de fazer desaparecer o gosto da globalização.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D