Portugal é grande quando abre horizontes

30
Abr 17

Sou simplesmente ateu. Sem militância. Por isso, de um ponto de vista religioso, a próxima visita do Papa Francisco ao Santuário de Fátima deixa-me indiferente.

Reconheço, no entanto, que estas matérias têm outras dimensões, para além das relacionadas com a fé. Mesmo quando se trata de uma peregrinação, como é o caso desta vez. Assim, há o lado político da visita. O impacto económico. A dimensão securitária. A questão da imagem de Portugal.

Por todas estas razões, a visita do Papa deve merecer uma atenção especial. É fundamental que corra bem.

Depois, cada um poderá voltar à agitação dos seus estados de alma.

publicado por victorangelo às 19:19

07
Mai 16

Martin Schulz, o Presidente do Parlamento Europeu, e Jean-Claude Juncker tiveram a ideia de dar o Prémio Carlos Magno deste ano ao Papa Francisco. A principal razão tem que ver com a resposta papal à questão dos imigrantes e dos refugiados. O chefe da Igreja Católica tem-se batido, de várias maneiras, por um acolhimento mais generoso dos estrangeiros que procuram refúgio e modo de vida na Europa. E os dois líderes europeus pensaram que ganhariam tracção se reconhecessem o exemplo papal. Poderiam assim adquirir mais peso, apoiando-se no Papa, e tentar convencer os outros líderes que se têm oposto à aceitação dos imigrantes e dos refugiados.

A verdade é que a questão é bem mais complexa. As palavras do Papa e o seu exemplo não convencem quem se opõe à política migratória proposta por Bruxelas. Mais do que os apregoados valores europeus, que são mitos frágeis, o que está em jogo são interesses nacionais bem como os velhos fantasmas nacionalistas. Apostar neles, dá poder, apoio popular. Investir nos imigrantes, faz perder poder, é um suicídio político, em quase todos os países da União.

Estamos assim, apesar do Prémio Carlos Magno e do Papa Francisco, perante um dos momentos mais cruciais na história da construção europeia. Um momento que exige opções claras. Duras, muito duras, mas claras.

 

publicado por victorangelo às 20:22

30
Dez 15

             "O ano de 2015 ficou muito a dever a John Kerry.

            O nome do Secretário de Estado norte-americano apareceu intimamente associado a momentos altos das relações internacionais, nomeadamente ao acordo nuclear com o Irão e ao plano de negociações sobre a Síria, que acaba de ser adotado pela ONU. Em paralelo com o Presidente Obama, que decidiu concentrar uma boa parte da sua atenção nas questões internas e retrair-se em matéria de política externa, Kerry comprometeu-se pessoalmente na solução de problemas que pareciam insolúveis. Com uma idade que já vai para lá dos setenta, num momento da vida em que muitos outros passam o tempo a jogar golf, foi infatigável e um exemplo de força de vontade e otimismo. Projetou uma imagem de maturidade e confiança, de seriedade e limpidez de intenções, características que são raras na política dos nossos dias. Lembrou-nos, entre outras coisas, que em diplomacia o que conta é estar presente, que a resolução das crises passa por se falar diretamente com os protagonistas, por não ter medo dos insucessos de hoje, mas sim, por conseguir transformá-los nas etapas necessárias para os acordos de amanhã. Teve ainda a habilidade e o arrojo de nos lembrar que com Benjamin Netanyahu no poder e com a coligação que agora o apoia, o conflito entre Israel e a Palestina continuará a agravar-se até se tornar quase irremediável. Para mim, pois, John Kerry foi o modelo do ano. Um político com uma vida e uma prática que nos inspiram e fazem refletir."

 

(Parágrafo final do meu texto na Visão online de hoje, texto publicado sob o título "Um político de referência em 2015"

 

publicado por victorangelo às 15:56

04
Dez 14

O meu texto na edição de hoje na Visão reflecte sobre o discurso do Papa Francisco ao parlamento Europeu.

Transcrevo, de seguida, o manuscrito.

 

O Papa e a velha senhora

Victor Ângelo

 

 

Seria tentador tratar o discurso que o Papa Francisco pronunciou recentemente no Parlamento Europeu com ironia. A ironia e a superficialidade constituem, aliás, moeda corrente na opinião pública nacional. Nessa perspetiva, as palavras ditas em Estrasburgo não passariam de uma lengalenga ininteligível sobre a Europa. Além disso, a experiência lembra-me que a escrita de um discurso demora dias, para depois ser lido em quinze minutos e esquecido após o almoço. Ou, na melhor das hipóteses, acaba reduzido a duas ou três meias-frases mais ou menos distorcidas e ponto final.

Foi assim no caso do Papa. A comunicação social pegou num par de imagens de fácil entendimento e passou rapidamente ao tema seguinte. Ora, a extensa intervenção de Francisco levanta algumas questões de fundo sobre a política europeia. Vale a pena ler o texto na íntegra. Poderemos não estar de acordo com tudo o que disse ou deixou entender, mas não seria acertado ignorar a mensagem central: a UE precisa de se interrogar sobre si própria e o seu papel no mundo.

É verdade que existe um défice de reflexão estratégica sobre a essência da Europa e as suas circunstâncias internas e externas atuais e futuras. A crise económica dos últimos anos abalou a coesão e o entendimento da relevância do projeto comunitário. Mais grave ainda, a Europa saiu do centro das atenções de uma boa parte dos cidadãos – falo aqui dos moderados, dos que não se identificam com os extremismos nacionalistas. Passou a ser algo distante e vago, pouco mais que uma moeda ou um espaço de viagens sem passaporte. E essa é hoje a maior fraqueza, a maior ameaça à construção de um futuro partilhado: a indiferença dos europeus face à UE.

O Papa referiu-se igualmente aos desafios relacionados com a estabilidade das famílias, a educação – um serviço público que está em declínio em vários países europeus, em termos de qualidade e adequação às exigências da vida moderna –, o meio ambiente, o emprego e ao que designou por “cultura do desperdício”, do consumismo imoderado e insustentável. E, como não podia deixar de ser, falou de valores e ética, coisas raras nestes tempos em que a ação política assenta, tantas vezes, no oportunismo, na vaidade e no aproveitamento pessoal.

Lembrou-nos ainda que é urgente olhar para os países dos Balcãs. São nações socialmente frágeis e inseguras, terras de ódios ancestrais, politicamente instáveis, economicamente atrasadas. Poderão ser, de novo, focos de conflito e, acrescento eu, fazer parte das próximas áreas de fricção aberta entre a UE e a Rússia. Para além da Europa, voltou a dar uma ênfase especial à questão da imigração. O Papa tem mostrado uma preocupação coerente pela sorte dos imigrantes que atravessam todos os perigos e nos chegam continuamente através do Mediterrâneo. Sublinhou, e bem, que este é um problema comum, um assunto que diz respeito não apenas aos estados ribeirinhos, mas a todos os europeus. A imigração descontrolada e em larga escala é, na minha opinião, um dos maiores desafios que a Europa tem pela frente. É, também, uma área política sem estratégia nem resposta adequada. Podemos estar em crise, mas outros, muitos, fora da Europa, vivem situações bem piores, de grande desespero humano. Em África e no Médio Oriente, e mais longe ainda, temos milhões de jovens sem futuro mas com genica e ilusões suficientes para achar que vale a pena arriscar a travessia. A Europa pode ser uma velha senhora, como disse o Papa. Contudo, para muitos jovens, vista de longe, noutros continentes, ainda é suficientemente sedutora.

publicado por victorangelo às 11:42

25
Nov 14

Não estarei de acordo com muito do que disse o Papa, no seu discurso de hoje, no Parlamento Europeu em Estrasburgo. As ideias sobre o aborto e a eutanásia, por exemplo, fazem parte de uma concepção filosófica que não partilho.

Sei, por outro lado, que a visita tinha, acima de tudo, uma dimensão política, favorável a ambos os lados: à Igreja, que precisa de ser vista num dos centros de poder da Europa, e para os deputados europeus, que têm que encontrar todo o tipo de maneiras para ganhar credibilidade aos olhos dos eleitores.

Mas reconheço que a presença do Papa teve o mérito de chamar a atenção sobre a necessidade de uma visão “ética” da política. A política deve voltar a assentar na procura do bem colectivo, no espírito de missão e nos valores da justiça social e do respeito pelas pessoas. O Papa fez-nos pensar nessas coisas.

É verdade que tais pensamentos são sol de pouca dura. Mesmo assim, é importante que alguém com autoridade moral nos lembre como deveria ser a acção política de gente séria.

publicado por victorangelo às 20:46

14
Mai 10

 

Agradeço a todos os que, de um modo ou de outro, tiveram em conta a questão que ontem trouxe à consideração de quem me segue, neste blog. Respostas certamente interessantes, muito no sentido de apoiar o primeiro tema. Assim será. Terei em conta.  Mas gostaria de lembrar a importância do tópico número três, sobre a igualdade entre os homens e as mulheres. Mesmo na Europa mais avançada, é assunto ainda não resolvido. Veja-se, por exemplo, o caso do novo governo britânico. São poucas as mulheres na fotografia, em número quase sem significado, com excepção do ministério do interior, um departamento muito importante na estrutura governamental da Grã-Bretanha. David Cameron podia ter feito melhor.

 

Já que estou em maré de agradecimentos, queria aqui reconhecer o esforço das diferentes secções da PSP que contribuiram, com muito profissionalismo, para a segurança do Papa, durante a sua visita a Portugal. Quem está por dentro dos sistemas de segurança sabe que a PSP fez um trabalho excelente. Os riscos existiam, mas tudo correu bem. A PSP que se vê na rua é apenas uma pequena parte de uma estrutura complexa, que vive da dedicação dos seus elementos, mulheres e homens. Uma dedicação que vai muito além das parcas compensações que usufruem.

publicado por victorangelo às 20:08

05
Abr 10

 

Os grandes títulos da imprensa internacional de hoje continuam a ser sobre a Igreja Católica, a fotografia do Papa aparece nas primeiras páginas de vários jornais de referência, sobre a crise económica internacional, incluindo a paridade do renminbi, a moeda chinesa, com o dólar americano, mais a falta de vigor da economia Europeia, quando comparada com a dos EUA, da China ou da Índia - este assunto merece um editorial de primeira página no Le Monde, com o título bem sugestivo de "Europe, reveille-toi". A estes temas juntam-se os conflitos no Afeganistão e no Iraque, a insegurança no Paquistão, o assassinato da relíquia do apartheid que foi Terre'Blanche, mas acima de tudo o lançamento de uma nova maquineta computorizada, capaz de fazer tudo e mais alguma coisa, o iPad.

 

Ou seja, não há grandes novidades. O que permite tempo para viagens tranquilas e para reflectir. Dois luxos juntos, que no meu caso, são como um milagre. Dever ser da época festiva.

publicado por victorangelo às 18:42

19
Mar 09

 

O Vaticano é uma anomalia. E pouco mais do que uma curiosidade histórica.

 

Os padres e religiosos africanos, quando vêm estudar para a Santa Sé, ou servir a igreja em Roma, sentem-se discriminados. Com base na cor da pele e na aparência física.

 

O Papa fala da SIDA de uma maneira que não faz sentido.  É apenas mais uma expressão do anacronismo em que vive a instituição.

 

 

 

 

publicado por victorangelo às 20:49

twitter
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO