Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Pescarias

O almoço de hoje: uma espécie de paté de peixe, com forma de hambúrguer, passado a correr na frigideira.

 

O pessoal português que estava comigo à mesa disse que era um puré de matéria indefinida com sabor e cheiro a peixe sem nome. Ainda tentei explicar que talvez se tratasse de uns filetes de um pescado, nome desconhecido, que abunda no fiorde que nos refresca a vista, a dois passos da cantina, mas ninguém se deixou convencer...

 

Eu comi o meu. Mas eles não conseguiram. Estão mal habituados. Ainda vêm de uma época em que o peixe era fresco, tinha cabeça, rabo e espinhas. 

 

Lembrei-me então de que umas horas antes, um outro colega, habitante da Nova Escócia, no Canadá do bacalhau, me havia dito que na baía à frente da sua casa, há trinta anos, bastava remar um pouco, deitar a rede à água e puxar peixe dos grandes. Hoje, é preciso ir longe. Com sorte, haverá um ou outro bacalhau na rede, com um quarto do tamanho dos de outrora. 

 

Tudo isto me faz pensar que as políticas de pesca têm sido uns verdadeiros desastres, na Europa e noutras partes do mundo. 

Um mundo absurdo

Hoje foi o dia em que um atum foi vendido na lota de Tóquio por quase 300 mil Euros. O valor faz pensar na complexidade da cadeia comercial, e na logística altamente eficiente e custosa, que existe entre o momento da captura e o consumo de um pequeno pedaço do peixe, num dos restaurantes mais caros da capital japonesa.

 

Mas o maior problema é que, com preços assim, torna-se impossível proteger eficazmente uma espécie que está fortemente ameaçada.

 

Numa outra escala de valores, é o que se passa com o sector da pesca na UE. As quotas de pescado são decididas com base em critérios políticos, sem qualquer relação efectiva com a sobrevivência das espécies. Só que muita da nossa pesca é meramente artesanal. Não tem a sofisticação que colocou o dito atum em Tóquio, esta manhã, umas horas apenas depois de ter sido pescado, no outro lado do mundo.

 



Regresso da pesca

 

Copyright V. Ângelo

 

 

Na Costa Ocidental de África há cada vez menos peixe nas águas a que os pequenos pescadores conseguem chegar.

Nalguns sítios, traineiras vindas da Ásia pescam a escassas centenas das linhas costeiras, ilegalmente, mas sem que haja capacidade e vontade política para o impedir. Conheço casos em que as tripulações dessas traineiras destroem pura e simplesmente as redes dos artesãos locais que encontram no mar, ou os ameaçam com armas de fogo, para que saiam das melhores áreas de pesca.

 

Noutros, barcos vindos da Europa do Sul deitam âncora a uma certa distância da costa e limitam-se a esperar que os pescadores tradicionais lhes venham vender, em pleno mar, os melhores resultados das suas pescarias. Em trocam, levam algum dinheiro, cigarros e outros bens para contrabandear em terra. Nalguns casos, há comércio de drogas, a coberto da actividade piscatória.

 

Assiste-se, assim, a uma destruição muito rápida dos recursos e ao aparecimento de outros modos de vida, nem sempre legais

Piratarias

 

Copyright V. Ângelo

 

Barco de pesca chinês ancorado no porto de Freetown, na África Ocidental, pronto a levantar ferro para mais uma expedição de pesca.

 

A licença de capturar vale um pouco mais do que o papel e tinta em que está impressa.

 

O peixe é processado na Guiné para poder entrar na Europa sem impostos.

É só ganhar, ganhar, excepto para as populações locais e para a conservação das pescarias...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D