Portugal é grande quando abre horizontes

17
Mar 19

Em todas as sociedades há quem empurre para baixo e quem puxe para cima.

O meu amigo Beto pertence ao primeiro grupo. Tem um prisma especial para ver o que se passa à sua volta. Um prisma que combina insucesso com inveja. É um apologista sistemático da igualdade pela mó de baixo, um crítico combativo, persistente e azedo, de quem vai além da cepa torta. Beto viveu a sua vida como quadro mais ou menos superior, sem mais, numa repartição do Estado. Sempre com razões de queixa. Sobretudo, dos políticos. Agora, recém reformado, encontra consolação na sua luta pela mediocridade generalizada.

Almocei ontem com ele.

E do outro lado da mesa estava a Isabel. Um caso completamente diferente. Isabel, mais jovem de quase vinte anos, trabalha numa empresa conhecida na nossa praça. Olha para o futuro pela lente das oportunidades. Para ela, o sucesso dos outros, quando honesto, é uma fonte de satisfação, de esperança e, mesmo, um motivo de inspiração. Isabel nunca baixa os braços, mantêm uma atitude positiva perante a vida. Acredita no futuro e luta por ele.

E ali estava eu, preso na teia estranha das amizades, a ouvir um e o outro, e a acreditar que com a sobremesa, ou já na altura do café, me seria dada a oportunidade de dizer que mais vale um bom café amargo que uma aguardente para esquecer.

 

publicado por victorangelo às 17:05

09
Dez 16

Terminada que está a minha última viagem de um ano de muitas viagens, começa agora o período dos balanços. E, em certa medida, a preocupação é a de encontrar o ângulo positivo das coisas.

Não será fácil. Mas não é uma luta perdida.

Em termos da cena internacional, tem sido um ano de muitas decepções políticas e de grande instabilidade geoestratégica. Em termos mais terra a terra, foi um período de grande sofrimento para muitos, no Médio Oriente, no Norte de África e no Sahel, no Afeganistão e noutros sítios. Aqui, mais perto da nossa porta, foi mais um ano de crise na Ucrânia e no Mar Mediterrâneo, entre os imigrantes e os candidatos ao refúgio. Foi igualmente um tempo em que virou moda atacar o projecto europeu e botar as culpas em cima de Jean-Claude Juncker e de Donald Tusk.

Acabou, acima de tudo, por ser o ano de Donald Trump e o que isso significa em termos de agravamento das intolerâncias nos EUA e das tensões internacionais.

Para além de tudo isto, 2016 surgiu como um período que nos deixa uma enorme interrogação: qual deve ser o nosso desempenho público, que papel assumir, enquanto parte da Europa privilegiada e da elite que tem beneficiado da globalização das relações internacionais?

De imediato, a maneira positiva de ver essa interpelação deve passar pela coragem das opiniões expressas, pela continuação da luta pelo progresso social de todos os que o procuram e pela defesa dos direitos humanos e de liberdade de cada um de nós. Mais ainda, há que estar atento para não se cair nem no pessimismo que nos fecha os horizontes nem na crítica fácil, cínica e demolidora.

publicado por victorangelo às 20:22

16
Fev 13

Dizia-me hoje um amigo, observador atento e honesto da realidade portuguesa: “Nunca estive tão pessimista!”.

 

Que poderia eu responder?

 

Disse-lhe: “Olha, António, a procissão ainda só vai no adro. Lembra-te disto que agora te digo, dentro de seis meses. E veremos então quem vaticinou bem…”

 

Ficou ainda mais pessimista, acreditem.

 

E eu fiquei a pensar que o pessimismo só conduz a mais pessimismo. Não é solução.

 

É melhor pensar noutras alternativas. 

 

De acordo?

 

publicado por victorangelo às 21:52

01
Set 12

Depois de bater com o nariz na porta de vidro da entrada P-2 do Corte Inglês, tendo ficado atordoado e febril durante umas horas, que a porta finge que se abre, mas são apenas as laterais que o fazem, prometi que nos próximos dias deixaria de me encontrar com os amigos que se sentem deprimidos, que apenas falam da crise, do governo, dos pulhas dos partidos, da política e da comunicação social, e do pessimismo que os anima. É que isso me deixa taciturno e me faz esquecer as portas que nunca se abrem. 

 

Para meu azar, logo pela manhã, a primeira coisa que fiz foi descer ao rés-do-chão para comprar o jornal, e sou apanhado numa discussão sobre o estado da justiça. Uma mulher de aspecto simples queixava-se alto e bom som da falta de justiça, com um caso pendente contra o ex-marido que nunca mais se resolve. A empregada da papelaria vira-se então para mim e pergunta: o senhor está de acordo, não é verdade, que a justiça no nosso país é apenas uma fachada e só serve para os ricos? 

 

Saí de lá pronto a bater com o nariz noutra porta de vidro invisível. Ou, dito de outro modo, é mesmo difícil não andar a bater com a cabeça nas paredes de vidro.

publicado por victorangelo às 20:29

twitter
Setembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13

18
19
20
21

23
24
25
26
27
28

29
30


<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO