Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

A pandemia e os seus custos políticos

A pandemia volta a ser a preocupação número um dos governos europeus. Temos a questão da saúde pública. Temos igualmente a dimensão económica e a insegurança que provoca no dia-a-dia das famílias. Temos ainda a dimensão política. Vários governos parecem não ter uma resposta credível e eficaz.Navegam ao acaso. E isso tem custos políticos importantes. Para quem está no poder, essa dimensão é particularmente importante.

 

Quem fala muito acaba por não ser ouvido

A intervenção do Presidente francês perante a Assembleia Geral da ONU foi exageradamente longa. Emmanuel Macron falou durante mais de cinquenta minutos, quando outros falaram cinco vezes menos. Teve a preocupação de definir uma agenda pormenorizada do que deveria ser, no seu entendimento, o trabalho das Nações Unidas e da comunidade internacional nos próximos tempos. Definiu cinco áreas prioritárias, cada uma delas com toda uma série de pontos e acções para levar a cabo. No final, ficou apenas uma ideia: falou demasiado, perdeu a atenção de quem o queria ouvir e a sua intervenção foi considerada como sendo uma manifestação de arrogância.

Já várias vezes disse que o Presidente Macron fala demasiado, faz intervenções demasiado extensas e com detalhes a mais. É um mau hábito e uma falta de cortesia. Acaba por irritar os seus pares, que acham que o francês pensa que é mais esperto do que eles.

Fazer longos discursos, na vida política de agora, é um erro.

O comportamento que se espera do líder

Quem ocupa um lugar de liderança, está de serviço de dia e de noite. A fronteira entre a vida pública e a privada é muito ténue. Liderar é dar o exemplo. E para que se continue a liderar, é fundamental manter um comportamento coerente. Sem isso, lá se vai a credibilidade. E fica apenas o apoio dos incondicionais do chefe e do partido. Ou seja, perde-se uma fatia que é importante para tornar a base do poder mais ampla, mais abrangente. Um exemplo que tenho presente, agora que escrevo estas linhas, foi o dado por Kofi Annan. Comportava-se sempre, mesmo nos momentos mais amistosos e fora das obrigações oficiais, com a dignidade e a presença que se espera de um Secretário-Geral. Se tivesse sido primeiro-ministro, ter-se-ia comportado sempre como um primeiro-ministro. Não iria em futebóis, como dizemos nós, que não somos primeiro-ministros.

Um intelectual cansativo

O meu amigo é um português de gema que gosta de discorrer sobre relações internacionais e geopolítica. Ainda bem, que assim se ganha uma perspectiva mais ampla do contexto em que nos inserimos. O problema é a rigidez e o viés da análise. Cada incursão num tema leva-o sempre à formulação de críticas acerbas aos dirigentes europeus e às posições políticas ocidentais, independentemente da justeza ou não da decisão em causa. Por exemplo, quando estão em jogo Angela Merkel e Vladimir Putin, o seu raciocínio consiste em dar a volta aos factos e justificar ou procurar desculpar o líder russo. Na pior das hipóteses, Putin é descrito como sendo anti-ocidental e nunca se faz referência ao despotismo que o inspira ou à corrupção que é um dos pilares da sua política. O meu amigo acha que ser de esquerda é proceder assim, apoiar quem nos é hostil. Também acha que, ao apresentar as coisas dessa maneira, está a ser mais esperto do que os outros. Na realidade não faz análise, toma partido e faz política. E ao fazê-la, esquece-se dos nossos interesses. Pensa apenas na imagem que quer projectar, a de um estratega, quando na realidade pouco mais é do que uma espécie de irmão metralha, estudioso e activo, mas que confunde a esquerda com o deita-abaixo. Amigos assim, evito, pois são, além do mais, cansativos.

As fantasias conspiratórias

Os analistas sociais revelam-nos que as teorias conspiratórias atraem sobremaneira pessoas com estudos superiores. A razão é que se consideram mais espertos do que os outros. Justificam assim construções mentais que não têm mais do que uma ténue ancoragem na realidade. A partir dessa ponta de verdade partem para um edifício conspiratório que é apenas possível por não conhecerem a sério o fundo da questão. Certas análises produzidas por serviços secretos também caem frequentemente nesse erro. A atracção da coisa é a de parecerem mais perspicazes do que os seres normais. É uma questão de ego, de falsa superioridade. E muitos políticos deixam-se enganar assim. Quando isso acontece, é difícil voltar atrás e tentar explicar a coisa de outra maneira. Não passa. As fantasias têm muita força junto de certos intelectuais da área social e no mundo da política.

 

Preocupações e uma nova política

Neste final de agosto, uma sondagem realizada por encomenda do jornal Le Figaro revela que 8 franceses em cada 10 estão preocupados com a situação sanitária que existe no país e a maneira como está a evoluir. O mesmo número de inquiridos vê com inquietação o comportamento da economia, as dificuldades que as empresas têm pela frente e a crescente deterioração do poder de compra. Estas duas apreensões traduzem uma visão realista dos próximos tempos. Existem, igualmente, noutros países da UE. Na verdade, há que estar preocupado e pensar na política de uma forma diferente, uma política que una o maior número de cidadãos no combate às crises.

E em Portugal, que podemos dizer sobre isto?

 

Manhas e mentiras

Observar o que se passa na Convenção Republicana, que hoje confirmará Donald Trump como candidato a um segundo mandato, requer muito autodomínio. Os diferentes oradores inventam uma realidade que não existe, toda cheia de cores brilhantes e depois felicitam o Presidente pelos sucessos que são puras invenções. Os temas são sempre os mesmos: a habilidade na gestão da economia, a manutenção da ordem pública e a capacidade para fazer frente a potências estrangeiras. Depois, inventam um falso programa que dizem ser o que os Democratas defendem, um programa sem sentido, e atacam, com unhas e dentes, essa falsidade como se fosse verdade.

A Convenção está a levar a política americana para novas profundidades. Manhas e mentiras, são os ingredientes da nova política dos republicanos. E os nossos pequenos Trump vão tomando nota, para fazerem igual, aqui por estas bandas.

Alarmado

Os partidos políticos continuam a ignorar o facto de que estamos no meio de uma crise económica e social sem precedentes. Entretêm-se com com assuntos triviais, da lana-caprina, de que nem vale a pena mencionar aqui, e eu fico simplesmente alarmado. Já ultrapassei a fase em que perguntava a mim próprio, mas que espécie de dirigentes são estes? Agora a pergunta é mais séria: será que esta gente do poder e da oposição andam a gozar connosco, para viver à nossa custa, ou são mesmo curtinhos dos miolos? Fica aqui a minha dúvida.

Optimismo em política

Espera-se de um líder político que projecte uma atitude positiva. A nação precisa de acreditar no futuro. Aí reside a essência da política. O resto é administração pública. Por isso, acho preferível votar num dirigente que consegue fazer passar uma mensagem optimista, do que apoiar um pessimista, por muito sagaz e moderno que seja, mas que se revela incapaz de mobilizar os cidadãos. Mais ainda, sempre considerei que o negativismo e o bota-abaixo sistemático não levam a parte alguma. O extremismo, de direita ou de esquerda, deve ser visto apenas como uma nota de pé-de-página, fora da esfera governativa. No meu quadro de referência, qualquer aliança com um dos extremos pouco mais é do que um ato de oportunismo político. Como tal, só é aceitável em casos excepcionais e por um tempo limitado.

Silêncios em tempos de crise

https://www.dn.pt/edicao-do-dia/01-ago-2020/este-tempo-nao-e-para-estatuas-12483419.html

O link que aqui deixo leva ao meu texto desta semana no Diário de Notícias, edição impressa em papel de 1 de agosto. 

Aconselho uma leitura de todas as palavras do meu escrito. Cada palavra tem o seu peso relativo. 

Obrigado. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D