Portugal é grande quando abre horizontes

23
Fev 19

Resumo. O personagem era primário, sectário e alucinado. Um mau exemplo, numa sociedade que precisa de doses cavalares de civismo, diálogo, equilíbrio e confiança em si própria.

É isso que me parece importante sublinhar.

publicado por victorangelo às 17:41

22
Fev 19

As pessoas que podemos considerar como pertencendo às elites gostam de repetir que vivemos numa época muito interessante e estimulante. Os que vivem de rendimentos dos sectores financeiros, ou estão ligados às actividades das grandes multinacionais, dizem-no ainda com mais entusiasmo. É aí que encontramos os grandes defensores da internacionalização das economias e da liberalização do comércio mundial. E da revolução digital, que traz ao seus mundos ganhos de eficiência, de flexibilidade e de tempo.

As elites são gente que sorri.

Na sua euforia, esquecem-se dos outros. De quem não tem as qualificações necessárias para acompanhar as transformações científicas e tecnológicas. Dos que ficam para trás. Dos que olham para o presente e antevêem o futuro com imensa preocupação e uma grande dose de pessimismo.

Os outros. As pessoas que perdem, ou sobrevivem, apenas. Gente que quando ouve globalização lhes soa a exclusão. Gente com dúvidas e muito medo.

Cabe aos líderes políticos responder a esses receios. Ou seja, encontrar o equilíbrio entre um mundo mais aberto, e em renovação acelerada, e a salvaguarda dos interesses e da dignidade de todos os cidadãos. Em particular os que a vida, por uma variedade de razões, foi deixando à beira do caminho do futuro.

O ponto de partida, para os políticos, deve ser simples. Dito em poucas palavras, isso significa ter claro, nas suas mentes, que a transformação tecnológica da economia, a inovação acelerada com base na Inteligência Artificial e a abertura ao mundo não podem ser feitas à custa da marginalização de camadas significativas das nossas populações europeias. O discurso político e os planos de acção, aos níveis nacional e europeu, têm que se concentrar nas questões de inclusão. Para além da educação e da formação contínua, e da informação inteligente, as políticas devem promover novas formas de estar em sociedade, de se ser socialmente respeitado. Tem que se ganhar um novo entendimento do que significa ser-se socialmente útil. Isto inclui o engenho de novas maneiras de assegurar um mínimo de rendimento mensal aos que possam ter mais dificuldade em inserirem-se no mundo novo.

Tudo isto, sem tirar a cada pessoa a responsabilidade individual, que é sua, perante o seu destino.

A ideia é clara. O futuro constrói-se à força de braços, indivíduo a indivíduo, família a família, mas não só. Precisa de um quadro político que tenha em conta as variáveis do mundo de agora. Aí, entram as lideranças políticas e os seus deveres.

 

 

publicado por victorangelo às 11:51

21
Fev 19

O texto que ontem publiquei é mais uma prova da desconexão que existe, nas nossas democracias ocidentais, entre o cidadão comum e as elites. No caso referido, tratava-se das elites políticas. Mas poderiam ter sido outras, as intelectuais, as académicas, as económicas ou as que brilham nos media. O fosso também diz respeito a essas elites.

Um fosso crescente, por isso, preocupante.

Ao nível político, assistimos a um amplo desencontro entre as aspirações populares e a capacidade de resposta dos políticos. E não é apenas a resposta medíocre perante os desafios sociais. É a incompetência noutras áreas igualmente vitais, como a da gestão da macroeconomia, da educação para o Século XXI e, ainda, a segurança dos mais fracos e a justiça.

Tudo isto acaba por se traduzir numa agitação e num mal-estar sociais de proporções inéditas desde os tempos do pós-guerra. Quando 4 em cada 10 cidadãos dizem ser contra o sistema vigente, há que reflectir, há que tirar as necessárias conclusões.

Temos que forçar o debate público desta crise do nosso sistema. E defender, com toda a clareza, a argumentação contra as opções populistas ou as respostas legalistas e securitárias.

 

publicado por victorangelo às 12:53

20
Fev 19

No centro da Europa, a paisagem política está a mudar profundamente. Uma das características mais marcantes dessa mudança está relacionada com a distância entre uma boa parte da população e a classe política. Vista a partir das pessoas, a divergência parece ser cada vez maior. O distanciamento é uma nova variável política. Assim, uma das grandes prioridades dos dirigentes tem que ser a aproximação e a conexão com os cidadãos.

Neste sentido, queria aqui referir um ou dois resultados de um inquérito de opinião, hoje posto em cima da minha mesa. Refere-se a duas amostras de eleitores, uma em França e a outra na Bélgica.

Em cada 10 inquiridos, 4 responderam que não têm qualquer tipo de confiança no sistema político vigente no seu respectivo país. O grau de desconfiança é comparável, na França e na Bélgica, o que nos surpreende e faz pensar.

Mais precisamente, 41% das pessoas declaram abertamente ser “anti-sistema”. Não se identificam com as instituições representativas que existem. Não lhes reconhecem valor. Na verdade, consideram que os políticos não têm em conta as preocupações das pessoas comuns, que o poder não se interessa pela melhoria das suas condições de existência.

Essas pessoas manifestam um receio evidente perante o futuro. É claro que isso poderá ser explorado por movimentos políticos que prometam o impossível, que de um lado quer do outro do espectro político.

As duas grandes preocupações desses cidadãos dizem respeito à mobilidade entre as suas residências e os locais de trabalho ou as infra-estruturas sociais, bem como ao custo de vida, à falta de meios para lhe fazer frente.

Um boa parte desses cidadãos trabalha, mas em empregos que apenas exigem níveis de escolaridade mínimos e que pagam salários mais baixos. Outro problema é o do trabalho a tempo parcial ou precário, um fenómeno que tem estado a crescer. Depois, há a questão do desemprego.

Finalmente, o pessimismo e o descontentamento estão mais presentes nas categorias etárias acima dos 45-50 anos.

Perante isto e outros dados, é evidente que a política de hoje não pode ser feita com as ideias e os conceitos de ontem.

 

 

 

 

publicado por victorangelo às 20:46

19
Fev 19

Tenho um amigo chegado que é um verdadeiro caçador de vírgulas. Passa o tempo a tratar de minudências. Somos muito diferentes, mas gosto de estar com ele de vez em quando. Nessas alturas, volto a lembrar-me que na vida e na política, a falta de uma vírgula altera o sentido e a forma. Ora, o sentido e a forma são fundamentais para que não surjam equívocos. E para manter o respeito.

publicado por victorangelo às 20:32

16
Fev 19

Tentar apaziguar os extremistas não é solução. Os extremismos, radicalismos e outros populismos não se combatem com cedências ou alianças, mais ou menos disfarçadas, com esses fanáticos. Conceder encoraja, abre espaço, permite dar a ilusão a um certo número de eleitores que os radicais têm razão, que lutam ajuizadamente pelos interesses do povo, como eles gostam de dizer. Com o tempo, esses movimentos aproveitam o espaço político assim criado e acabam por dominar a agenda, a narrativa e a liberdade de opinião. Na sua essência, os movimentos radicais são a antecâmara de um regime de ditadura.

A história da Europa do século XX mostra que os extremistas entraram na esfera do poder por meios constitucionais, em governos de minoria. Depois, pelo uso da demagogia, do engano, da sabotagem e da manipulação do ódio de massas acabaram por dominar e impor, de modo categórico e violento, a sua agenda. No final de um processo deste género surgiu sempre uma tragédia nacional.

Por tudo isto, a única maneira acertada de tratar essas correntes de pensamento passa pelo isolamento político, uma espécie de quarentena permanente, pelo denúncia da natureza nefasta dessas ideologias, enquanto fantasias perigosas, irrealistas, excluidoras, espoliadoras e totalitárias. Passa, em resumo, pelo combate político a sério, pacífico mas corajoso, que isso de dar tréguas aos facciosos e a outros sectários só lembra aos oportunistas com vistas curtas.

 

publicado por victorangelo às 20:11

14
Fev 19

Ainda não percebi a surpresa que muitos têm manifestado perante a afirmação que um grupo de dissidentes do Bloco de Esquerda (BE) fez esta semana, sobre a falta de democracia interna e o clima de perseguição que impera no interior desse partido da extrema-esquerda.

A natureza autocrática dos principais partidos portugueses faz parte dos seus genes. Os nossos partidos são ditaduras envernizadas de democracia. Manda quem, por portas e travessas, chega ao topo da estrutura. Os outros, obedecem. Seguem a linha que vem de cima, de preferência com uma fidelidade de fazer inveja a muitos cachorros. Quando começam a opinar e a defender opções diferentes das decididas pela direcção da agremiação, passam a ser vistos com desconfiança e, nalguns casos, serão mesmo tidos como potenciais traidores. Então, a máquina inicia o processo estalinista – sim, que nisto de exigir uma obediência acéfala, encontramos os estalinistas em ambos os lados, nos partidos à esquerda e à direita – de isolamento e de exclusão desses militantes.

O que não falta por aí serão exemplos que poderão confirmar esta maneira de proceder. E antigos militantes amargurados.

Isto faz-me lembrar o que alguém – deputado desde sempre na Assembleia da República, por saber remar com a maré, seja ela qual for – sempre me disse sobre as lideranças partidárias. Para chegar à chefia, é preciso ser-se mestre na arte da intriga. Para manter a posição de chefia, a arte indispensável é a da coação.

publicado por victorangelo às 16:20

13
Fev 19

Na pequena ou na grande política, dos partidos ou dos estados, adversário e inimigo são dois conceitos bem distintos. Não convém confundir. Não se trata da mesma maneira o adversário e o inimigo. Com o adversário, podemos fazer acordos e alianças. Depende das circunstâncias. Já no que diz respeito ao inimigo, o melhor é não lhe dar tréguas.

publicado por victorangelo às 09:37

12
Fev 19

Escrita com dentes, capaz de morder os adversários e de atrair leitores, não falta nas nossas colunas de opinião.

O que falta, e muito, é juntar aos dentes uma boa dose de miolos. Morde-se a torto e a direito, mas sem a reflexão necessária. Sem a profundidade e os prismas de análise que os temas exigiriam. Como se cada questão não devesse ser tida em conta a partir de vários ângulos, esquecendo-se deste modo que a vida é mais complexa do que umas dentadas no adversário. E do que umas penadas no assunto.

Assim temos estado a criar uma opinião pública que se baseia apenas em sobressaltos emocionais e preconceitos.

Que pobreza.

 

 

publicado por victorangelo às 17:25

11
Fev 19

Aqui, neste espaço, a amizade verdadeira conta mais do que as divergências políticas. A amizade dura mais. As opiniões políticas, ou mudam com o tempo, ou são cegas, e nessa altura não vale a pena estar a insistir.

Também aqui, a força do argumento pesa mais do que a berraria descabelada. Berra-se muito, na nossa cena política. Mas isso não leva água a nenhum moinho. É, pelo contrário, sinal de fraqueza, sobretudo da mente.

publicado por victorangelo às 21:23

twitter
Fevereiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9



24
25
26
27
28


<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO