Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Chega de parvoíces

Numa altura em que o país está em crise profunda, por causa da pandemia da covid e do impacto económico da mesma, o debate público anda concentrado num partido ridículo e minúsculo, de gente com ideias néscias e marginais, um partido sem um programa de governação. Não entendo o porquê dessa obsessão com um partido que pouco mais é do que um caixote de refúgio para um certo tipo de primários que por aí andam.

O comentador internacional

Não entendo bem como é possível que um funcionário superior de uma organização intergovernamental, um português, é verdade, possa escrever artigos de opinião sobre questões partidárias que fazem parte da actualidade nacional. Há aqui, na minha maneira de ver, baseada na velha escola ética de antigo quadro da função pública internacional, um pisar do risco que só pode ter de ver com a ambição pessoal e os planos de carreira política desse “comentador”. E os media da nossa terrinha ajudam a pisar o risco, sem fazerem qualquer tipo de observação.

O PSD a fazer de conta

A proposta hoje apresentada pelo Partido Social-Democrata (PSD) de colocar as Forças Armadas “no comando das operações no combate “à Covid não tem fundamento legal e confunde meios com competências. É mero barulho político para mostrar que não se fica calado. Não deve ser levada a sério. É mais um tiro de pólvora seca do PSD.

É verdade que as Forças Armadas têm múltiplas valências que podem e devem ser utilizadas, em complemento com outras, na luta contra a pandemia. Penso nos meios logísticos, nos serviços de medicina, nos centros de acolhimento, nas acções de sensibilização, entre outros.

Mas a pandemia, que é uma emergência nacional, exige sobretudo clarividência e direcção políticas, uma estratégia de mobilização da opinião pública face às suas responsabilidades de comportamento e meios excepcionais em matéria de serviços de saúde.

Todos os serviços públicos e muitos dos privados devem colaborar na resposta a esta crise. Mas não convém alimentar a ilusão que as Forças Armadas devem ir além do que lhes é permitido por lei e pela lógica das coisas.

As palavras frouxas do Presidente

A comunicação ao país, feita este serão pelo Presidente da República, não foi incisiva. Foi uma intervenção vaga, impessoal, cansada. Não frisou suficientemente a gravidade da situação, não apelou ao civismo e ao comportamento responsável que se espera dos cidadãos, não mencionou os custos económicos e psicológicos que as famílias têm de suportar, como também não referiu se haverá ou não um conjunto de medidas compensatórias e de apoio. Achei que perdeu a oportunidade de contribuir, dentro dos limites que são os do seu cargo, para uma melhor compreensão da crise e para um acender da esperança, se todos derem uma achega, a começar pelo governo mas não só.

O comportamento que se espera do líder

Quem ocupa um lugar de liderança, está de serviço de dia e de noite. A fronteira entre a vida pública e a privada é muito ténue. Liderar é dar o exemplo. E para que se continue a liderar, é fundamental manter um comportamento coerente. Sem isso, lá se vai a credibilidade. E fica apenas o apoio dos incondicionais do chefe e do partido. Ou seja, perde-se uma fatia que é importante para tornar a base do poder mais ampla, mais abrangente. Um exemplo que tenho presente, agora que escrevo estas linhas, foi o dado por Kofi Annan. Comportava-se sempre, mesmo nos momentos mais amistosos e fora das obrigações oficiais, com a dignidade e a presença que se espera de um Secretário-Geral. Se tivesse sido primeiro-ministro, ter-se-ia comportado sempre como um primeiro-ministro. Não iria em futebóis, como dizemos nós, que não somos primeiro-ministros.

Um Costa com medo dos comunistas

Quando todos sabemos que há um novo surto de contágios por vários países da Europa, incluindo nesta nossa parte do Continente, e que a situação de pandemia irá ficar mais grave depois do regresso de férias, do começo das aulas e com a chegada do Outono, eu não compreendo os riscos que o Primeiro-Ministro está pronto para assumir perante a teimosia do Partido Comunista. São riscos de saúde pública. Óbvios, indiscutíveis. E são riscos políticos, pois a falta de coragem de António Costa terá certamente custos em matéria de apoio eleitoral. Que os comunistas insistam na realização da festa, eu entendo. Por essa Europa fora, esses tipos de eventos foram simplesmente adiados. No caso português, os dirigentes do PCP querem mostrar que são capazes de intimidar o governo. E estão a consegui-lo. O PM tem medo deles.

As palavras que fazem perder o poder

Um dirigente sabe que é observado 24 horas por dia. A liderança ao mais alto nível exige uma dedicação exclusiva e um cuidado extremo com os actos e as palavras. Quando se é chefe, é-se chefe de dia e de noite. Por outro lado, um líder numa posição de poder tem que falar com elegância. A formalidade  e o protocolo contam muito, já dizia Mestre Confúcio, como os seus Analectos nos lembram. O líder não pode falar como um carroceiro mal-polido. Quando o faz está a perder força. Quando isso põe uma categoria social contra ele, está a perder poder. É a erosão do poder.  

 

Uma governação grosseira e populista

Em matéria de pandemia, passámos de cavalo para burro. Os países europeus mantêm as portas fechadas e não deixam entrar os residentes em Portugal. E não permitem que os seus nacionais venham de férias ao nosso país. Isto significa, pura e simplesmente, que a estação turística deste Verão terá que ser feita com a prata da casa. O impacto disso na economia nacional é significativo. Com o descontrolo que levou ao aumento dos contágios, ficamos todos a perder. A pandemia não se controla com retórica política. Andar a fingir que estamos na linha da frente, como tem sido o hábito de quem tem o poder, só engana quem é tolo. Neste caso da covid, a imagem de um país é feita com factos e dados, não depende da conversa cor de rosa. Também não resiste a um palrar superficial, que fala de nós como se fossemos os melhores do mundo, tudo para alegrar os bacocos que somos. 

Andamos a fugir do problema

O governo de António Costa está ausente, na fase actual da pandemia em Portugal. Os comportamentos de risco têm estado a aumentar e nada é feito para lhes pôr termo. É preciso lembrar aos cidadãos que o perigo ainda não passou. Como também é necessário punir quem organiza festas como a que aconteceu em Lagos. A inacção governamental é baseada numa premissa idiota, a de que, se não se levantar a lebre, o país irá receber milhares e milhares de turistas. Só que a lebre é espantada por outros, nas terras que nos poderiam enviar alguns turistas. Aí, Portugal aparece pintado a vermelho.

Também foi de um absurdo sem limites dizer que a final do campeonato da UEFA, ao ser jogada à porta fechada em Lisboa, em Agosto, é um sinal de reconhecimento e um prémio dado ao pessoal do sector da saúde. Ao dizer-se isso, ou se está a gozar com esses profissionais ou se vende tudo o que brilha como se fosse um diamante. Na esperança, claro, de ganhar pontos. É o superficialismo como forma de fazer governação.

Isso é do lado do governo. Do lado dos outros, até parece que deixou de haver política. Os partidos e os seus líderes andam a apanhar bonés. Ou então, a preparar as férias do Verão. A verdade é que desapareceram do mapa.

Estamos bem entregues, como diria o outro.  

A banha da cobra e as nossas ilusões

O pessimismo não nos leva muito longe. Ver tudo pela negativa, criticando a torto e a direito, também não resolve os problemas. Há que evitar esse tipo de atitudes. Mas passar o tempo a pintar tudo cor de rosa é um engano. Quem o faz, ocupando posições de poder, sabe que anda a vender banha da cobra. Não o faz por parvoíce. Fá-lo porque criar ilusões e deixar andar dão popularidade e mantêm o povo alegre.

Entretanto, as pessoas acreditam que se voltou a um certo nível de normalidade. Para além da fantasia que isso representa, do ponto de vista do estado na nossa economia, temos as consequências de saúde pública que estamos a ver. E que se tornam claras quando nos dizem que uma dezena de países europeus, do nosso querido espaço Schengen, não aceita visitantes vindos de Portugal.  

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D