Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Os dias políticos

O ministro da Defesa anda nos títulos dos jornais, pelas más razões. E o ministro dos Negócios Estrangeiros adoptou uma linha política original, perante todos os problemas que o governo tem conhecido nos últimos tempos. Diz sempre que não se passa nada, que não há motivos para alarme. Parece ter aprendido com o Presidente da República. Quanto ao Primeiro-Ministro, dir-se-ia que já anda em campanha. Está ocupadíssimo a preparar uma série de benesses, que serão aprovadas de modo a entrarem em vigor antes das eleições de fins de Janeiro.

Mais à esquerda, é o salve-se quem puder. O grande medo chama-se voto útil no Partido Socialista. A verdade é que existe o risco de se vir a assistir a uma significativa transferência de votos. Mas nada está jogado. É preciso fazer uma campanha eleitoral inteligente, que permita a esses partidos guardar o que já têm e que não é muito.

À direita, a luta pela clarificação e pela conquista de terreno vai continuar. Existe alguma possibilidade de recuperação eleitoral. Mas, para que isso aconteça, vai ser preciso muita campanha, muito contacto com as populações e a projecção de uma imagem que inspire confiança, o que não é fácil. O PSD tem um grave problema interno, que precisa de resolver. E quem sair vencedor terá que percorrer muitos quilómetros, para ser visto e ouvido. E aproveitar ao máximo a alavanca que é a cobertura televisiva.

Vai ser uma campanha eleitoral animada. Ou, pelo menos, tem a possibilidade de o ser, se houver habilidade e uma estratégia coerente, por parte de cada um dos partidos. É aí que a porca torce o rabo.

 

O movimento dos votos

Depois de falar durante duas horas, numa aula que dei no Instituto da Defesa Nacional, para contar a minha experiência na área da resolução de conflitos, fiquei sem forças para tentar entender a situação política actual. Li alguns comentários especulativos, mas nada de muito convincente. Fico para já com a hipótese de um jogo de António Costa. No seguimento das autárquicas, vê que o BE e o PCP estão muito fracos e pensa poder conquistar os votos que estes irão perder nas próximas eleições gerais. É, no entanto, um jogo arriscado. Uma parte dos eleitores do PCP poderá votar no Chega e não PS. São pessoas de recursos modestos e que sentem a necessidade de votar numa oposição forte. O Chega não é essa oposição, mas é o que se pode arranjar, como diria o outro. Quanto ao eleitorado do BE, é possível que alguns segmentos votem no PS. Mas isso não chegará para compensar as perdas que o PS terá, por transferência de votos para o PSD, o PAN e a Iniciativa Liberal.

A crise é outra

Os últimos 18 meses de pandemia tiveram certamente um impacto na maneira como os cidadãos portugueses vêem agora a dinâmica política nacional. Por isso, sou dos que pensam que eleições gerais no quadro da nova realidade não seriam nenhuma desgraça, se porventura vierem a acontecer.

É verdade que trazem um período de incerteza e de agitação, mas a democracia funciona assim.

Dizem-me que terão um impacto negativo sobre certas forças à esquerda do PS. É provável. Mas isso significaria que esses partidos já não pesam o que pesavam há algum tempo.

Também me dizem que o PS poderá sair enfraquecido dessa contenda. As sondagens continuam, no entanto, a ser favoráveis aos socialistas.

E há quem receie uma subida do Chega. Irá certamente acontecer. Não será, todavia, uma onda avassaladora que ponha em causa a democracia ou a estabilidade governativa, segundo penso. Esse partido é um movimento sem substância, sem uma implantação nacional que vá além dos medíocres da terra, sem experiência nem argúcia política. É, além disso, dirigido por alguém que não sabe voar, que não passa das banalidades primárias. Pode haver quem se identifique com esse senhor. Mas será sempre uma franja da população.

Creio que é um exagero falar de uma crise nacional. A crise existe, mas é outra. Tem que ver com a qualidade dos nossos agentes políticos. Na política, não vingam os melhores.

Um congresso morno, em finais de Agosto

O Congresso do Partido Socialista confirmou o total controlo que António Costa tem sobre a organização. É ele quem manda, quem distribui lugares e quem segura os que fazem asneiras, mas lhe são fiéis. Falar na sucessão, nesta altura, é altamente prematuro. Há vários políticos que têm os olhos no prémio, mas vão que ter de esperar o tempo que Costa queira. E, no final, vai ser ele quem irá escolher o sucessor. Não vai deixar o partido, um dia, nas mãos de quem o possa deitar a perder.

Entretanto, irão chegar fundos vindos da União Europeia. O controlo desses fundos é essencial para manter os pequenos caciques do PS satisfeitos. E a melhor maneira é criar novas entidades públicas, ou parapúblicas, mais funcionários, mais projectos de utilidade duvidosa, etc.

Mas não há nenhum problema. Do lado oposto, ao nível do PSD, a trapalhada é enorme. A imagem que projecta não passa, não mobiliza. O PSD não se consegue afirmar como oposição, muito menos ainda como alternativa.

O resto é para esquecer.

A discussão bravia que por aí vai

A classe política e os comentadores do costume andam muito ocupados a discutir uma nomeação partidária – do partido do governo, é óbvio – para uma comissão importante. Mas, perante os problemas que o país enfrenta e as reformas estruturais que deveriam ser discutidas e feitas, isto é uma ninharia. O pessoal agarra-se a ninharias com unhas e dentes. Confunde, assim, o acessório com o que é essencial. E quem está no poder, goza.

 

Breves apontamentos sobre a sondagem de hoje

Na sondagem política que o Diário de Notícias publica hoje destaco três aspectos.

Primeiro, que Rui Rio, o dirigente do PSD, não consegue sair da cepa torta, nem mesmo quando António Costa perde pontos de popularidade. Falta a Rio a chama que um líder político precisa de ter. Isto quer dizer que não consegue projectar uma imagem clara do que significaria votar por ele.

Não terá, lá nas fileiras do seu partido, quem o posso aconselhar em termos de percepção pública? Ou é o homem que não ouve ninguém?

Segundo, o CDS/PP aparece como uma força irrelevante. Com 0,8% das intenções de voto, não acrescenta nada à direita e ao movimento conservador. Fazer acordos políticos com essa insignificância é puro teatro sem consequências, é parvoíce política.

Terceiro, o partido Chega parece ter chegado ao limite das suas forças. Os dados mostram que não tem sabido aproveitar a dinâmica criada pela disputa eleitoral presidência. Consegue, apenas, mobilizar os eleitores mais radicalizados dentro do espectro ultraconservador e numa lógica de saco de gatos enfurecidos, que se arranham uns aos outros.

A mentira da Justiça

O que aconteceu e continua a acontecer no nosso Ministério da Justiça, sobre as falsidades que oficialmente foram transmitidas a Bruxelas sobre o procurador europeu, não deve ser classificado como uma trapalhada. É bem mais do que isso. E muito grave. É um abuso do poder, por parte de um grupo de governantes que pensa estar de pé e cal na mó de cima. Olham à volta e não vêem oposição que lhes faça medo. Sentem-se seguros e, por isso, seguem o velho princípio do quero, posso e mando, ao qual juntam o igualmente velho hábito da política portuguesa, o compadrio.

Dito de outra maneira, é uma política sem ética. Corrupta até ao tutano. Sim, que a justiça faz parte do âmago do Estado. É uma função essencial de soberania que se mostra tão desvirtuada como muitas outras.

A Ministra não se demite e o Primeiro-Ministro não se manifesta. Estamos bem entregues.

Um Rio com pouca corrente

A maneira como Rui Rio reagiu à nova sondagem do Expresso, que dá o seu PSD em queda acentuada, revela um cinismo parvo e um sentido de humor a que falta o bom senso. Em resumo, não revela inteligência política.

Na realidade, a reacção que tornou pública ajuda a perceber a razão da baixa da popularidade do PSD: não tem um líder à altura.

Numa altura em que o governo de António Costa atravessa várias tempestades – o Ministro Cabrita, o SEF, a mortalidade excepcionalmente elevada por causa da Covid-19, a falta de preparação para a campanha de vacinação, a imprecisão da agenda económica de recuperação, a TAP, a candidatura de Ana Gomes e as divisões que provoca no interior do PS, etc, etc – o líder do principal partido da oposição anda no Twitter a fazer comentários tontos. Para além de não conseguir agarrar o momento para mostrar que tem ideias, planos e uma visão para o país. Uma visão que é, todavia, bem necessária, na sequência dos vários impactos da pandemia sobre a sociedade portuguesa e também porque a governação tem sido uma governação pela rama, às apalpadelas e sem rumo certo.

Chega de parvoíces

Numa altura em que o país está em crise profunda, por causa da pandemia da covid e do impacto económico da mesma, o debate público anda concentrado num partido ridículo e minúsculo, de gente com ideias néscias e marginais, um partido sem um programa de governação. Não entendo o porquê dessa obsessão com um partido que pouco mais é do que um caixote de refúgio para um certo tipo de primários que por aí andam.

Notas para um balanço político

Estamos agora na ponta final deste ano. É a altura de fazer as contas, de proceder ao balanço dos últimos doze meses. Ora, balanços há muitos e cada um fará o seu.

Aqui, em Portugal, em matéria política, 2019 foi um ano de viragem. Um período de rearranjo do xadrez partidário.

O PS manteve a dianteira, acima de tudo porque as pessoas não querem grandes alterações nem querem ouvir falar de austeridade. Não entusiasma o povo, mas também não faz ondas. Deixa andar e mantém a fachada. António Costa é, acima de tudo, um gestor de efeitos luminosos. À sua esquerda, temos um PC que envelhece. Convence apenas os convencidos, que não são muitos. O tempo fará o resto. Os amanhãs que cantam estão agora arrumados nos livros de história que ninguém lê. O BE termina o ano à procura de si mesmo, como um fantasma perdido nos corredores de um emaranhado de ilusões. É, cada vez mais, o partido do irrealismo, dos líricos e dos frustrados sociais.

À direita, o CDS termina o ano em estado de coma. Não sabe para que serve. Sem liderança e sem bandeiras, apertado entre o PSD e a nova direita – liberal ou populista – o CDS é agora sinónimo de irrelevância. Quanto ao PSD, as divisões internas, as ambições das diferentes facções, o cinzento da sua liderança, tudo contribui para que o partido se reduza aos que não querem votar PS e também não querem ir para os extremos. É um escanzelado político, com fome de poder, mas sem forças nem artes para chegar à gamela. Fecha o ano com uma corrida à liderança interna que faz pensar numa caldeirada de peixe que já perdeu a frescura.

Temos ainda as novas representações. Aqui, quem irá marcar pontos, aglutinar a direita e o sentimento anti-PS, poderá ser o Chega. O problema é que se trata de uma banda de um só solista. Quem anda só, pode acabar por se perder. Dizem que o Chega é da extrema-direita. Eu vejo-o mais como uma agremiação populista e oportunista, radical, claro, como um possível viveiro de todo o tipo de direitistas frustrados e combativos. Quanto o Livre, é uma botija de gás que se esvazia rapidamente. Não tem pernas políticas capazes de criar um movimento de apoio suficiente. Durou quatro ou cinco semanas, e já está.

No meio de tudo isto, continua a faltar um movimento de cidadania que marque pontos. Temos, nas associações de cidadania, gente com cabeça. Mas não conseguem ultrapassar as audiências de grupos de amigos. Esta é uma área que vejo, com pena, arrastar os pés e não ser capaz de mobilizar mais energias.

E assim vamos chegando ao final da etapa 2019.  

 

 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D