Portugal é grande quando abre horizontes

08
Mar 19

Neste Dia Internacional da Mulher, uma referência de homenagem a todos os que lutam, homens e mulheres, para combater a violência doméstica e os mais variados tipos de violência praticados contra as mulheres e as raparigas. Também, uma menção especial para o grande desfile pela democracia que as mulheres da Argélia hoje organizaram. E à decisão do governo britânico de dar protecção diplomática a Nazanin Zaghari-Ratcliffe, uma britânica de origem iraniana, que os clérigos que controlam o poder no Irão mantêm em detenção há cerca de três anos, por razões injustificadas e inaceitáveis.

publicado por victorangelo às 20:08

26
Mai 10

Os adolescentes criativos que mencionei ontem, duas raparigas e um moço, a Elisa Tavares, a Mariana  Oliveira e o Mário Ferreira, ganhadores de uma competição europeia, estudam e vivem em Aveiro. A cidade e o distrito têm-se distinguido, nos últimos anos, por um dinamismo acima da média, incluindo nas áreas da multimédia e informática.

 

Ao escrever isto, lembro-me do caso de Bangalore, no Sul da Índia. Cerca de dois milhões de jovens trabalham em Bangalore na programação e nos serviços informáticos. Tem havido uma transferência de capacidades da Silicon Valley, na Califórnia, para esta cidade da Índia. Centenas de milhares são diplomados do ensino superior, engenheiros de todo o tipo. Outros, a trabalhar nos call centre, falam inglês com o sotaque mais apropriado aos ouvidos dos clientes, por esse mundo fora, a quem prestam informações. O segredo do sucesso é muito simples: um investimento na educação das novas gerações, de modo a prepará-las para um mundo global. 

 

 

 

 

 

publicado por victorangelo às 20:09

15
Dez 09

 

As mulheres e as raparigas, nesta parte do mundo onde me encontro, são vítimas de violências quotidianas. Apesar da legislação o não permitir, os maus tratos, as violações, a negação dos direitos mais elementares, os casamentos em idade precoce, incluindo os que resultam do uso da força e são feitos contra a vontade das raparigas, a poligamia e a miséria, tudo isto acontece por todo o lado, à vista de todos.

 

Para agravar a situação, a mortalidade durante a gravidez e o parto faz presença na história diária de muitas famílias. Os números são impressionantes.

 

Hoje lançámos no Chade uma campanha para combater estas duas tragédias. Todos prometeram contribuir para o sucesso da campanha. Mas a cabeça das pessoas é complicada, demora tempo a mudar. Por outro lado, as instituições de saúde pública e os serviços sanitários funcionam mal, sem recursos e com muita fuga de meios para fins ilícitos.

 

Enquanto estava na cerimónia lembrei-me que em Angola e em S.Tomé, por influência do país grande, os homens do poder e os ricos andam agora à procura das "catorzinhas". Ou seja, de parceiras muito tenras, que o homem do poder é um lobo mau.

 

Catorze anos!

 

Quando se pensa que se avança, saem uns asneirentos a fazer das suas. Mas enfim. Vamos acreditar nas duas campanhas que hoje começam a ser levadas à prática.

 

 

publicado por victorangelo às 19:38

24
Mar 09

 

Copyright V. Ângelo

 

Num mar de raparigas sudanesas refugiadas em terras vizinhas, e bem fora da alegria do momento, que as alegrias não fazem parte do quotidiano de quem vive no exílio, a menina do meio tem um maneira de ver diferente. Olha para a câmara, segue os passos do estranho visitante, pois convém estar atenta a tudo o que as rodeia.

 

O mesmo acontece com a criança que aparece por detrás do ombro. Mais jovem, mas igualmente atenta. Com uma feição de quem já viveu muitos medos.

publicado por victorangelo às 10:35

14
Fev 09

 

Há que sorrir, é preciso acreditar, mas  o caminho da igualdade e da esperança é duro e irregular, como a lombada de um camelo. Os caminhos do deserto estão juncados de cascalho, de pedras soltas que fazem escorregar os animais e torcer os pés dos caminhantes.

 

 

As mãos já revelam a dureza dos poucos anos de vida.

 

 

O olhar concentrado dos anos  que já não são tenros.

 

 

 

Há sempre um irmão mais novo que é preciso carregar às costas.

 

 

O sorriso feliz de quem tem ainda cara de criança.

 

 

A cantar, na turma, com sorte, que a escola é para poucas raparigas e por tempo limitado, que o casamento precoce retira as futuras mulheres do ensino.

 

 

Uma cara pobre.

 

Fotos Copyright V. Ângelo

publicado por victorangelo às 17:15

29
Dez 08

 

Um beleza com um nariz ranhoso.

 

 

Moças prestes a entrar no mercado duro da realidade da vida de mulher.

 

 

O penteado da menina ao Sol.

 

 

A tristeza da menina da aldeia.

 

Fotos Copyright   V. Ângelo

 

 

Ser rapariga e' ter uma vida muito difícil pela frente. A discriminação contra as mulheres e' um facto de cada dia.

publicado por victorangelo às 19:42

26
Dez 08

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fotos Copyright V. Ângelo

 

 

Estas crianças não têm pistolas de plástico e gostariam imenso de poder ir à escola. Com todo o respeito pelos professores. Com vontade de aprender, de ser alguém para além da miséria que as viu nascer.

 

Mas as escolas são poucas e as raparigas estão em grande desvantagem social. Fazem falta em casa, para ir buscar água, apanhar lenha, ajudar a tratar dos irmãos mais pequenos. E irão casar muito cedo, logo que os pais as possam fazer passar para a responsabilidade de outrem.

 

Sem educação não há futuro. Sem civismo não há progresso social. Sem respeito, somos apenas uns bichos falantes, uns monstros.

 

publicado por victorangelo às 22:04

twitter
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO