Portugal é grande quando abre horizontes

09
Fev 19

Não vejo a saída do Reino Unido – o chamado Brexit – como uma tragédia, nem como um sinal de que a União Europeia está em crise. Considero que, no essencial, se trata de uma decisão britânica – dos 52% que votaram no referendo de 2016 contra a permanência do seu país na UE.

As razões que levaram esses cidadãos a decidir como decidiram serão várias. Já foram suficientemente discutidas. Muitas terão que ver com uma perspectiva saudosista da história do Reino Unido, da grandeza imperial de outrora. Ou seja, com uma ilusão que nada tem que ver com o mundo de hoje. Mas que continua a ser alimentada por certas elites aristocráticas ou com ligações a determinados colégios destinados a jovens das classes privilegiadas e, também, a instituições de ensino superior classistas. Na realidade, e é bom ter isso sempre presente, uma boa parte do voto Brexit baseia-se em fantasias vitorianas, exacerbadas por valores xenófobos e retrógrados. O Brexit é reaccionário.

Nessas circunstâncias, com uma elite política e intelectual dominante desse género, tão desancorada das realidades de agora, o corte com o resto do projecto europeu poderá ser visto como um momento de clarificação e uma oportunidade de progresso e de afirmação da ideia europeia. Dito doutra maneira, mais directa, a UE pode ganhar com a saída dos britânicos. Esse é o desafio que temos pela frente.

publicado por victorangelo às 12:06

29
Dez 16

Já quase no termo do ano, sou dos que foram surpreendidos em 2016 por uma série de acontecimentos de sinal negativo, na cena internacional. Foi um ano de agravamento das tensões a vários níveis. Abriu a porta a um futuro como vários imponderáveis.

Nem todos os riscos serão, para já, visíveis. Mas não se pode ignorar que existe toda uma gama possível. Perante isso, 2017 é um convite à coragem e à franqueza. Um convite que se impõe a quem ainda tem um mínimo de bom senso e de esperança.

publicado por victorangelo às 21:06

19
Out 15

Sejamos claros. Um partido que inscreve na sua lista de exigências negociais uma série de medidas programáticas absolutamente incomportáveis, do ponto de vista da capacidade da economia portuguesa de hoje, ou seja, um menu de medidas incompatíveis com a boa gestão do orçamento do Estado, só pode ser uma de duas: ou demagogo ou irresponsável. De esquerda, certamente não será, que a esquerda quere-se com os pés bem assentes na realidade.

publicado por victorangelo às 21:39

twitter
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
15
16

17
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO