Portugal é grande quando abre horizontes

13
Set 10

A reflexão estratégica sobre o futuro de África deverá ter em conta os seguintes desafios e processos de transformação, que irão ocorrer nas próximas três décadas:

 

a)     O crescimento da população. Em 1980, havia 480 milhões de Africanos. Em 2010, mil milhões. Em 2050, os Africanos serão 1,8 mil milhões.  

 

b)     A urbanização acelerada. As migrações internas.

 

c)     A emigração para outros países africanos, para a Europa e para outros continentes.

 

d)     O emprego dos jovens. 500 milhões em idade de trabalhar em 2010. Serão 1,1 mil milhões em 2040.

 

e)     O desenvolvimento desigual. Dualidade. Modelos de desenvolvimento vão ser postos em causa. Ao mesmo tempo, aparecimento de classes médias, crescimento do poder de compra.

 

f)      Desertificação, desflorestação, pressão sobre os recursos naturais.

 

g)     Redes criminosas internacionais, tráfico de drogas, de armas e terrorismo. Pirataria na Costa Ocidental de África.

 

h)    Governação, instabilidade, desagregação social. O caso do Sul Sudão. Conflitos internos, etnicidade, confrontos religiosos. Conflitos bélicos entre estados.

 

i)       Saúde pública, SIDA, educação. Segurança alimentar.

 

j)       Mais riqueza, maior peso na economia global, mais FDI em África e de África noutras partes do mundo, a começar pela Europa.

 

k)     Maior afirmação política nas instituições internacionais, novas parcerias com a China, Índia, etc. A questão da participação como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU.

 

A reflexão também deve ser feita na Europa, visto que muitas destas mudanças que irão ocorrer em África terão um impacto significativo no continente europeu. 

 

 

(Copyright V. Ângelo)

publicado por victorangelo às 11:48

24
Set 09

 

A reflexão desta semana na revista VISÃO é sobre a Assembleia-geral das Nações Unidas. Na altura da abertura da sessão anual, faço uma série de comentários sobre as questões mais importantes da agenda deste ano.

 

Também comento a pobreza de ideias dos dirigentes dos países mais ricos. Falo, em poucas palavras, do G 20.

 

Foi um texto escrito no meio de muitas outras tarefas. Espero que a escrita não denuncie muito a correria em que tenho andado.

 

http://aeiou.visao.pt/vias-diplomaticas=f530382

 

O leitor dirá.

 

publicado por victorangelo às 22:19

23
Jul 09

 

A ligação para o meu texto de hoje na VISÃO on-line é a seguinte:

 

http://aeiou.visao.pt/o-equilibrista=f522971

 

Falo das minhas tarefas, dos equilíbrios internacionais e do monstro irmão daquele que parece viver no Loch Ness. Só que o meu monstro é mais real.

 

Leiam, por favor, comentem na revista on-line, e aceitem os meus agradecimentos.

publicado por victorangelo às 20:04

27
Ago 08

 

‘A Margem do G8
Victor Ângelo
 
 
Esquecendo o espectáculo e as manifestações habituais, as promessas que se repetem sobre a luta contra a pobreza ou as alterações climáticas, a cimeira anual do G8, que este ano decorreu no Japão, convida-nos a reflectir sobre quatro questões que não podem ficar esquecidas.
 
Em primeiro lugar, temos que reconhecer que a economia internacional esta’ a viver um processo acelerado de mudança estrutural, que se tornou particularmente nítido nos últimos dois anos. O exemplo mais flagrante tem que ver com os aumentos muito significativos dos preços das matérias-primas, sobretudo do petróleo, e dos cereais. Os níveis actuais de preços, que subiram nos meses recentes com uma rapidez nunca vista em períodos de paz, vão manter-se. A tendência e’, aliás, para que continuem a aumentar. Este facto exige ajustamentos de fundo, sobretudo nas economias mais desenvolvidas, que são a espinha dorsal do G8. Já não se trata de um puro problema inflacionário, mas sim de um fenómeno com implicações sistémicas, que necessita de transformações de longo fôlego. No curto prazo, será necessário fazer frente a situações sociais de grande gravidade, e não apenas nos países menos desenvolvidos. A própria Europa, sobretudo a periferia pouco sofisticada a que Portugal pertence, vai conhecer um novo tipo de pobreza. Para muitos de nós, cheira a crise.
 
Temos, em seguida, a questão das economias emergentes e do peso que passaram a representar nas relações económicas internacionais. Não são apenas os casos mais falados da China, que se tornou a terceira potência económica mundial, e da Índia, que se esta’ assentar a sua transformação no conhecimento tecnológico e na formação cientifica. Há todo um conjunto de novos actores económicos, alguns dos quais foram convidados para almoçar em Hokkaido. Para se perceber melhor a sua importância crescente, basta ter presente que nos últimos dezoito meses houve uma transferência adicional de recursos financeiros dos países consumidores de petróleo para os produtores na ordem dos quatro triliões de dólares. Pode dizer-se, simplificando, que a capacidade produtiva e comercial está de um lado e o poder de compra está do outro.
 
Em terceiro lugar, as economias, e por isso, também as políticas, estão hoje mais interdependentes. Mas a globalização tem novos contornos. Significa, por exemplo, que a economia americana se encontra dependente, de um modo vital, da importação de capitais estrangeiros, que compensem a falta de poupança interna. Ou ainda, que a Europa já não consegue crescer se não houver prosperidade e estabilidade nos países para onde exporta uma parte importante da sua produção. Ou que a China entraria em contracção se as barreiras alfandegárias nos mercados de destino se tornassem intransponíveis. Com a interdependência está a aparecer, nas populações dos países mais desenvolvidos, um clima de receio. As pessoas, habituadas a um nível de vida que agora parece estar ameaçado, têm medo do futuro, da globalização, do resto do mundo, dos grandes espaços económicos e políticos, da emigração. Dos outros, simplesmente. Há, cada vez mais, um fechar-se sobre si próprio, ao nível nacional ou local.
 
Finalmente, todas estas questões levantam o problema fundamental do funcionamento desajustado das instituições internacionais. A reforma das estruturas que gerem as relações entre os estados e’ cada vez mais urgente, para que se tenham em conta as novas realidades. O Conselho de Segurança das Nações Unidas, os organismos financeiros globais, em especial o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional, a Organização Mundial do Comercio, as estruturas ‘a volta da União Europeia, as agências de ajuda ao desenvolvimento, são elementos de uma rede institucional internacional que não consegue encontrar respostas para os desafios que o mundo do Século XXI enfrenta.
 
 
 
 
 
 
 
 
publicado por victorangelo às 22:27

twitter
Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
14
15
17
19

21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO