Portugal é grande quando abre horizontes

05
Mai 18

http://portugues.tdm.com.mo/radio/play_audio.php?ref=10359

O link para o meu programa desta semana na Rádio de Macau, um trabalho semanal de equipa com Hélder Beja, um homem de letras, e a jornalista Catarina Domingues. Ambos vivem em Macau há vários anos.

publicado por victorangelo às 17:16

23
Abr 18

A França participou nas represálias conta a Síria com três fragatas. Destas, apenas uma conseguiu disparar os seus mísseis. As duas outras não estavam em condições operacionais de fogo. Os disparos tiveram que ser abortados.

Este foi mais um exemplo dos problemas que encontramos actualmente ao nível de certas forças de defesa europeias.

publicado por victorangelo às 11:27

18
Abr 17

http://visao.sapo.pt/opiniao/opiniao_victorangelo/2017-04-17-Depois-dos-estrondos

Este é o link para o meu novo texto na Visão sobre o papel da força na resolução das crises.

Vai certamente suscitar algumas reacções.

Boa leitura.

publicado por victorangelo às 12:25

11
Abr 17

No Magazine Europa desta semana, difundido às terças-feiras pela Rádio Macau, os meus comentários são sobre a Grécia e as suas relações com o Eurogrupo, no quadro das negociações um terceiro resgate; depois, trata-se de fazer o ponto da situação sobre o Brexit, agora que as regras e os contornos, do lado europeu, ficaram mais claros; finalmente, debruço-me, sem cair na repetição do que por aí se diz, sobre o impacto que os 59 Tomahawks de Donald Trump estão a ter no relacionamento da UE com os EUA e a Rússia.

O link para a edição de hoje é o seguinte:

 goo.gl/aLUN5e

publicado por victorangelo às 14:44

09
Abr 17

Analistas de política internacional continuam hoje a dizer que Donald Trump “não tem a mínima estratégia para a Síria”.

Penso que é uma leitura errada. A minha análise é outra.

O elemento fundamental da política americana na região da Síria e do Iraque assenta no combate aos terroristas do Estado Islâmico. Isso significa a continuação do apoio às forças armadas do Iraque e, na Síria, aos curdos e outros grupos aliados.

Os russos sabem que assim é e estão satisfeitos com a opção tomada em Washington.

O resto é teatro.

Mas também é um facto que o Presidente americano parece ter decidido seguir de um modo mais disciplinado as recomendações de estratégia internacional formuladas pelo Conselho Nacional de Segurança. Isso mostra o poder crescente e a capacidade de liderança do General Herbert McMaster, que lidera esse Conselho. McMaster é um militar com uma carreira brilhante, opiniões claras e um grande sentido de estratégia. Conseguiu não só afastar do CNS o louco que é Stephen Bannon como afirmar a sua autoridade e a dos principais dirigentes das áreas da defesa e da inteligência.

Podemos não estar de acordo com as opções tomadas. Mas aqui há agora um pensamento estruturado. Resulta de uma mudança do processo decisório no seio do CNS e do peso que esta estrutura da Casa Branca ganhou em matéria de política externa, sobretudo nos casos de conflitos de maior importância para os EUA.

E há também um certo entrar nos carris do comportamento público de Trump em matérias deste tipo. A personalidade que o define poderá levar a descarrilamentos. Mas, no essencial, o Presidente está a perceber que nestas coisas do poder há que jogar com base nas recomendações vindas das instituições e de quem sabe.

publicado por victorangelo às 17:44

07
Abr 17

A acção militar dos EUA contra a base aérea de Homs, na Síria, deve ser vista a partir de vários ângulos. Estas coisas não podem ser julgadas através de um só prisma nem devem ser escritas e comentadas a preto e branco.

De entre as interrogações a que uma análise séria deverá responder, quero agora sublinhar uma que continua a preocupar de sobremaneira quem tem responsabilidades na cena internacional, incluindo quem produz teoria sobre estas matérias.

Trata-se de definir a doutrina político-legal em que deve assentar o tratamento de um caso como o da Síria. Estamos perante um conflito que se eterniza, já no sétimo ano de combates e de tragédias humanas, e que tem efeitos desestabilizadores muito amplos, para além do país em que ocorre e da região a que esse país pertence. Mais ainda, todos os processos políticos têm falhado e estão num impasse. Sem esquecer que o Conselho de Segurança da ONU está irremediavelmente dividido sobre esta crise e não consegue encontrar uma via de saída ou de resolução da situação de guerra.

Para complicar ainda mais, o protagonista de maior peso – o Presidente Bashar al-Assad – não aceita uma solução política, negociada e abrangente. Apenas aposta na continuação da opção militar e numa vitória pelas armas que resultaria do esmagamento dos adversários.

Perante este cenário de grande complexidade, continuar a fingir que as negociações podem levar a resultados é uma impostura ou, na melhor das hipóteses, uma imbecilidade. Temos que ser verdadeiros.

Quais são as outras opções?

Qual seria a legitimidade de uma acção conjunta de uma coligação de Estados que interviessem, sem mandato do Conselho de Segurança – um mandato impossível de obter –, e que tivesse como objectivo tirar Assad deste xadrez tão trágico?

Que força deveria ser utilizada para forçar Assad -  e as outras partes - a negociar um compromisso político?

Haverá justificação para tal? E como se construirá esse argumento justificativo?

A reflexão terá que ir neste sentido.

 

publicado por victorangelo às 21:20

14
Dez 16

Na imprensa internacional, a tomada de posse do novo Secretário-Geral da ONU apenas mereceu umas linhas e uns rodapés. Amigos, que conhecem bem a casa, dizem-me que este tratamento do assunto é revelador da marginalização em que as Nações Unidas se deixaram colocar, ao longo de uma década ou mesmo, desde os acontecimentos que viraram a página do mundo em 2001, em Nova Iorque.

É possível que uma parte das razões esteja por aí.

No entanto, numa altura de muitos dramas e surpresas, a transição serena que esta semana ocorreu em Nova Iorque não chega a ser notícia. Não há tempo e espaço para os acontecimentos normais e previsíveis. Alepo e outras tragédias, que nos enchem os ecrãs diariamente, são a anormalidade que é preciso contar. E ainda bem que não passam despercebidas, embora a visibilidade não tenha ainda contribuído para envergonhar e punir quem não quer resolver estas coisas.

Mas não é só a Síria ou coisas semelhantes. A ONU também não pesa quando comparada com os futebóis. Esses sim, merecem páginas e páginas de atenção.

publicado por victorangelo às 19:57

09
Dez 16

Terminada que está a minha última viagem de um ano de muitas viagens, começa agora o período dos balanços. E, em certa medida, a preocupação é a de encontrar o ângulo positivo das coisas.

Não será fácil. Mas não é uma luta perdida.

Em termos da cena internacional, tem sido um ano de muitas decepções políticas e de grande instabilidade geoestratégica. Em termos mais terra a terra, foi um período de grande sofrimento para muitos, no Médio Oriente, no Norte de África e no Sahel, no Afeganistão e noutros sítios. Aqui, mais perto da nossa porta, foi mais um ano de crise na Ucrânia e no Mar Mediterrâneo, entre os imigrantes e os candidatos ao refúgio. Foi igualmente um tempo em que virou moda atacar o projecto europeu e botar as culpas em cima de Jean-Claude Juncker e de Donald Tusk.

Acabou, acima de tudo, por ser o ano de Donald Trump e o que isso significa em termos de agravamento das intolerâncias nos EUA e das tensões internacionais.

Para além de tudo isto, 2016 surgiu como um período que nos deixa uma enorme interrogação: qual deve ser o nosso desempenho público, que papel assumir, enquanto parte da Europa privilegiada e da elite que tem beneficiado da globalização das relações internacionais?

De imediato, a maneira positiva de ver essa interpelação deve passar pela coragem das opiniões expressas, pela continuação da luta pelo progresso social de todos os que o procuram e pela defesa dos direitos humanos e de liberdade de cada um de nós. Mais ainda, há que estar atento para não se cair nem no pessimismo que nos fecha os horizontes nem na crítica fácil, cínica e demolidora.

publicado por victorangelo às 20:22

25
Set 16

Na véspera de uma nova votação sobre a escolha do Secretário-geral que se segue, noto que o Conselho de Segurança está a viver um período de grande tensão entre os países ocidentais – EUA, Reino Unido e França – e a Rússia. Hoje chegou-se a um ponto único, que foi o de acusar a Rússia de estar a praticar crimes de guerra na Síria.

Estas acusações são muito graves. Saem inteiramente do que tem sido a prática no Conselho de Segurança. Irão certamente tornar mais difícil um acordo entre os cinco permanentes sobre quem deverá ser o próximo Secretário-geral.

 

 

publicado por victorangelo às 22:19

16
Mar 16

O surpreendente senhor Putin

            Victor Ângelo

 

            A decisão de Vladimir Putin, que põe termo a uma boa parte das operações militares russas na Síria, deve ser vista com bons olhos. É verdade que surpreendeu mesmo os que sempre estão bem informados, como é o caso da Administração dos EUA. É igualmente um facto que pode suscitar diferentes interpretações sobre os seus motivos. Nesta fase, ainda é cedo para entender as razões mais profundas. A experiência aconselha-nos uma certa prudência, quando se trata de procurar interpretar as ações deste líder.

            E não vale a pena estar a especular. Para já, deve-se proceder a uma leitura mais linear, que se focalize nos factos e nas consequências mais aparentes. Vejo os seguintes, que enumero de modo resumido.

            O Presidente russo mostrou uma vez mais que sabe de estratégia. A surpresa, a oportunidade do momento e a rapidez da execução são elementos fundamentais de uma decisão de grande impacto. Putin fez o inesperado, pela positiva, justificou a sua tomada de posição com base no sucesso da campanha militar, teve em conta a data – o dia do início das negociações de Genebra e do quinto aniversário do conflito – e mandou proceder à retirada das forças com efeitos imediatos e de modo visível.

            Ao revelar, uma vez mais, que sabe de estratégia, lembrou-nos igualmente que é um líder indispensável na cena internacional. A sua posição, enquanto interlocutor na resolução de crises, sai reforçada. O estatuto de grande potência, que é uma preocupação maior em Moscovo, ficou confirmado. E deve deixar-nos a matutar, neste lado da Europa, sobre a necessidade de rever o nosso relacionamento com Moscovo, e sem mais demoras.

            A encenação foi entretanto obra de mestre. Nestas jogadas, a teatralização conta muito. E funcionou. A mensagem não podia ser mais clara. Ao convocar os ministros dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov, e o da Defesa, Sergei Shoigu, e ao pretender que lhes estava a dar a conhecer a ordem, tudo em direto, perante as câmaras de televisão, Putin quis não só mostrar quem manda na Rússia, como também que se entendesse que a partir de agora a ênfase deverá ser posta nos esforços diplomáticos. As armas fizeram o que tinham que fazer, passemos então à fase do diálogo.

            Assim ficou claro que Genebra é para levar a sério. E que foi a Rússia, mais do que qualquer outro estado, quem criou as condições para que isso aconteça e para que o processo se passe agora no quadro das Nações Unidas. O apoio da Rússia à ONU marca pontos, dá peso, incluindo no que respeita à escolha do próximo Secretário-geral.

            Enviou também uma mensagem política muito forte a Bashar al-Assad. O Presidente sírio poderá estar hoje numa posição mais sólida, em termos das discussões sobre o futuro, mas tem que aceitar uma solução de compromisso. Putin faz-lhe ver que não há outra alternativa. É verdade que as diferentes oposições estão enfraquecidas, sobretudo depois de vários meses de bombardeamentos russos. Têm, no entanto, que ser reconhecidas e aceites pelas autoridades de Damasco como interlocutores legítimos e atores fundamentais num processo de estabilização e de transformação política. Os únicos que devem ficar de fora e continuar a ser combatidos são os terroristas do Daesh, que gostam de se intitular Estado Islâmico, e os ligados à Al-Qaeda.

            Nada disto nos garante que se chegue a um acordo em Genebra. Abre, todavia, uma réstia de esperança, que tanta falta faz depois de cinco anos de guerra e sofrimento.

 

(Texto que hoje publico na Visão on line)

           

           

 

 

publicado por victorangelo às 21:19

twitter
Maio 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


subscrever feeds
<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO