Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vistas largas

Crescemos quando abrimos horizontes

Vacinar, não há outra saída

Perante os factos – a quase totalidade dos internados por motivos de Covid-19 são pessoas que não foram vacinadas – defendo todo o tipo de medidas que tornem a vacinação uma necessidade para quem se quiser mover nos locais públicos.

Esta é uma questão que ultrapassa largamente a vontade individual, por ter enormes repercussões sobre o funcionamento dos serviços de saúde e prejudicar grandemente os doentes com outras enfermidades. Quando o interesse público está em causa, há que tomar as medidas necessárias para o defender.

A liberdade e a responsabilidade de cada um são uma equação que tem de estar em equilíbrio.  

A entrevista que dei ao DN (7)

A pandemia está a mostrar qualidades de dirigentes e de sociedades ou, pelo contrário, revelou inesperadas fragilidades dos países?

Nunca se está verdadeiramente preparado para uma crise pandémica. Sobretudo para uma como a presente, que tem uma natureza global, um impacto profundo e que persiste ao longo de já mais de dois anos, e surge com novas mutações.

Apesar de tudo, conseguiram-se progressos muito rápidos na descoberta de várias vacinas eficazes e desde então foi possível produzir doses em quantidades astronómicas. Nos países mais avançados, as campanhas de vacinação desenrolaram-se bem, embora seja surpreendente ver a percentagem relativamente elevada de pessoas que ainda não se vacinaram, podendo fazê-lo, em países como os EUA ou alguns Estados europeus. Noutros países, as decisões de confinamento e os fechos de fronteira foram tomadas ao sabor da política de curto prazo e sem atender às recomendações da OMS.

O grande problema, no que respeita ao combate à pandemia, vive-se nos países mais pobres. A cooperação internacional é fundamental.

Covid-19 continua a marcar a agenda

Omicron continua a ser um dos grandes títulos da imprensa internacional. A política em muitos países gira à volta dessa nova variante e os mercados financeiros também.

Na Europa, a terceira dose da vacina e a imunização dos menores de 12 anos são a resposta. Mas, mesmo assim, ainda há um número demasiado de pessoas que recusam a vacina. Essa é a preocupação política do momento, em matéria de luta contra a Covid-19. Grupos radicais de extrema-direita têm utilizado esta matéria como cavalo de batalha.

Nos Estados Unidos, o problema é ainda mais complicado. A progressão do número de vacinados é lenta. 72% dos cidadãos foram vacinados com duas doses, mas em certos estados o valor ronda os 60%. Na Rússia existe um certo nível de dúvida sobre a eficácia da vacina nacional, o que acaba por ter um impacto na progressão da campanha de vacinação.  

Em África e nos países em desenvolvimento a taxa de vacinação continua demasiado baixa. Os países mais desenvolvidos têm aí um desafio de ajuda que não podem ignorar. A fraca percentagem de vacinados é terreno propício para o aparecimento de novas variantes.

De um modo geral, vamos entrar no novo ano com a questão da Covid a pesar imenso na vida, na economia e nas relações sociais através do globo.

Sida: um combate que não pode ser esquecido

Dia Mundial de Luta contra a Sida. Um desafio em certas partes do globo, nomeadamente em África e no Sudeste Asiático. São sobretudo os mais pobres que têm maiores dificuldades de acesso à medicação necessária para os manter activos e em vida. A pandemia da COVID-19 não nos pode fazer esquecer o combate diário que muitos enfrentam perante o vírus da Sida. 

A extrema-direita a tirar partido da pandemia

Os movimentos radicais da extrema-direita estão a tentar aproveitar-se das restrições que a nova vaga de coronavírus impõe para organizar manifestações de rua e criar novos segmentos de contestação da ordem democrática.

As manifestações que ocorreram este fim de semana ou nos dias anteriores, nos Países Baixos, Bélgica e Áustria, mostraram que os extremistas de direita têm alguma capacidade de mobilização. São, por isso, um perigo. Agravado ainda, porque essas manifestações oferecem oportunidades aos anarquistas e a outros niilistas para destruir e pilhar bem como para criar situações de mal-estar social, de insegurança colectiva e de descrença na capacidade das instituições democráticas de manter a ordem pública.

O grande desafio para os democratas é conseguir fazer chegar aos cidadãos mensagens de moderação, de tranquilidade e de respeito pelas autoridades, a começar pelas que são responsáveis pela saúde pública.

É importante que se entenda que estão em jogo duas questões fundamentais. Por um lado, a saúde pública e a salvaguarda da vida e do bem-estar das pessoas. Por outro, a protecção da imagem da democracia, das suas instituições e da aceitação da legitimidade das decisões tomadas por quem foi investido em posições autoridade.

Um verão abaixo das expectativas

Nota-se algum movimento de turistas na zona de Belém, em Lisboa. Uma boa parte é espanhola ou francesa e terá vindo por via terrestre. Os comerciantes estão mais animados, embora saibam que este vai ser mais um verão bem abaixo do que é normal. Mas, num período de seca, qualquer gota de água é celebrada com optimismo.

Ao mesmo tempo, manifestam receio que a situação da pandemia piore. E traga consigo novas restrições. Os números não são bons e a curva vai no mau sentido.

De qualquer modo, será um período de férias diferente. Em muitos países, a inclinação é para fazer férias dentro das fronteiras nacionais.

Entretanto, há futebol, por mais uns dias. E a OMS olha para os ajuntamentos que a competição está a causar com enorme preocupação. Assim o disse, hoje, uma vez mais, o director para a Europa dessa organização.  

Portugal nos títulos das notícias

Portugal voltou a aparecer nos radares europeus da pandemia. Vários amigos, residentes em diferentes países, têm estado em contacto comigo, para saber se estou bem e mostrar a sua preocupação perante as notícias vindas daqui. O cerco sanitário de Lisboa, aos fins-de-semana, tem sido notícia em muito sítio. Não sei se servirá para conter a onda actual. Mas tem servido para que se fale de Portugal. É uma notícia negativa. Terá certamente impacto no volume de turistas que nos visitarão estas férias. Será azar nosso ou má gestão?

Onde está a direcção política da coisa?

Surgem cada vez mais queixas sobre a maneira pouco eficaz de execução da nossa campanha de vacinação contra a covid-19. A ineficiência traduz duas coisas. Uma, refere-se à maneira como funciona o Sistema Nacional de Saúde quando se trata de respostas organizadas – e não de tratamento de urgências. Por isso, muitos dos cidadãos com mais de 80 anos continuam por vacinar, sobretudo os que têm menos acesso a médicos de família ou a clínicos amigos. Como também continuam por vacinar muitos dos maiores de 50 com doenças crónicas, mas pouco ou nenhum seguimento médico.

Por outro lado, a definição dos grupos profissionais prioritários continua a não incluir os professores e o pessoal de apoio ao sistema de ensino. E as escolas permanecem encerradas.

Para além das questões organizacionais, há aqui uma questão política que precisa de ser encarada de frente. A covid não é apenas um problema de saúde pública. É uma emergência nacional. Tem várias dimensões. Por isso requer uma direcção política de topo.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

<meta name=

My title page contents

Links

https://victorfreebird.blogspot.com

google35f5d0d6dcc935c4.html

  • Verify a site
  • vistas largas
  • Vistas Largas

www.duniamundo.com

  • Consultoria Victor Angelo

https://victorangeloviews.blogspot.com

@vangelofreebird

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D