Portugal é grande quando abre horizontes

15
Fev 19

A edição de 2019 da Conferência de Munique sobre a Segurança começou hoje e decorre até domingo. Este encontro é um dos momentos altos do calendário anual das grandes conferências internacionais.

Assistimos, nesta década, a uma proliferação de conferências de todo o tipo e sobre os mais variados temas, nas diversas regiões do globo. A maioria dessas iniciativas passa despercebida e não tem qualquer tipo de impacto na tomada de decisões estratégicas ou no diálogo internacional. Tal não é o caso de Munique. Munique tornou-se no Davos das questões de segurança, conflito e paz. Pesa e conta.

Este ano, como já é hábito, terão lugar uma série de encontros bilaterais entre os Estados Unidos, a Rússia e a China, bem como outros.

A situação na Síria, no Sahel, a questão do armamento nuclear e as dimensões de segurança que possam resultar das alterações climáticas estão na agenda. Como continua na agenda a crise na Ucrânia. Fora da agenda, como sempre, estará o conflito israelo-palestiniano. É de demasiado melindroso, para uns, insolúvel, na opinião de outros. Acho bem.

 

 

publicado por victorangelo às 20:35

20
Dez 16

Um vizinho inconveniente

Victor Ângelo 

 

Nos últimos anos, na altura de fazer o balanço político da dinâmica internacional, Vladimir Putin tem repetidamente aparecido como uma das personalidades mais influentes.

Assim está a acontecer, de novo, neste final de 2016. E não é apenas ao nível da prestigiante revista Forbes, que voltou a considerar Putin, pela quarta vez consecutiva, como o líder mais poderoso do globo. A situação na Síria, as alegações de ciberespionagem e de interferência nas eleições americanas, a dopagem “patriótica” dos atletas russos, as incursões aéreas e marítimas das suas forças armadas no espaço de defesa da Aliança Atlântica, estas são algumas das grandes questões que aparecem ligadas às opções políticas do patrão do Kremlin. E que têm um impacto profundo nas relações internacionais.

À lista haveria ainda que acrescentar os esforços encobertos e multidimensionais que fazem parte de uma intenção deliberada de enfraquecer e, mesmo, fragmentar a UE. Na visão fantasmagórica de Putin, a Europa unida seria uma ameaça aos interesses e à capacidade de influência geopolítica da Rússia.

Mas a verdade é que a UE, para além das sanções relacionadas com a crise ucraniana, não tem sabido responder de modo coerente e estratégico aos desafios e às manobras de Putin. Nesta área, como em várias outras, a política externa comum precisa de mais coerência, de criatividade e, acima de tudo, de um diálogo mais corajoso e firme entre os estados membros.

Sou dos que advogam que é urgente definir uma política comum que responda às ações hostis que vêm de Moscovo. Essa deveria ser uma das primeiras prioridades da agenda externa europeia em 2017. Sei que não será fácil definir uma moldura que possa ser unanimemente aceite. Mas, apesar dessa dificuldade, é fundamental aprofundar a reflexão e definir uma resposta adequada, com tempo e não em cimeiras a fingir e a correr, à volta de um jantar fora de horas e de gente cansada. 

Essa resposta deverá ter em conta a linha que Donald Trump venha a seguir em relação a esse mesmo assunto. Ter em conta não quer dizer, no entanto, alinhamento. Antes pelo contrário. A Europa deverá ter a sua própria agenda política. Os sinais que nos chegam do outro lado do Atlântico são simultaneamente preocupantes e claros quanto à necessidade de uma posição que seja inspirada pelas preocupações europeias. E que sirva, igualmente, como um exemplo impossível de ignorar em Washington.

A estratégia deve ter como objetivos a promoção do respeito pelas normas internacionais e os princípios de boa vizinhança e afirmar sem ambiguidades que a UE considera como fundamental desenvolver um quadro de cooperação com a Rússia que seja mutuamente benéfico. A Europa quer ter na Rússia um parceiro privilegiado, não apenas nas áreas económicas e comerciais mas também em matérias de defesa e de segurança internacional. Espera, por sua vez, que Moscovo veja vantagens numa Europa unida e capaz de desempenhar um papel ativo no equilíbrio de forças ao nível internacional. Por isso, e perante os factos, acha que a política atual de Moscovo, sob a responsabilidade de Vladimir Putin, não vai no caminho certo nem responde às aspirações e aos interesses de longo prazo das populações europeias e russas.

A partir destas linhas estratégicas, e apesar de conhecermos vários exemplos de negociações com representantes de Putin que não têm levado a parte alguma, convém insistir no diálogo. Quem advoga que se cortem as pontes com o Kremlin está equivocado. Os conflitos resolvem-se com paciência, persistência e muita conversa com os adversários. Mas isto não chega. Será ainda necessário enveredar por uma comunicação mais esclarecedora e coerente, que denuncie, junto dos cidadãos europeus e russos, as práticas que consideramos inaceitáveis. O futuro comum, o deles e o nosso, exige, para além do diálogo, que se ganhe a batalha da opinião pública.

 

(Texto que hoje publico na Visão on line)

publicado por victorangelo às 17:10

13
Dez 16

Nos últimos anos, na altura de fazer o balanço do ano que termina, Vladimir Putin tem repetidamente aparecido como uma das personalidades mais influentes na cena internacional.

Assim está a acontecer, de novo, neste final de 2016. A situação na Síria, as eleições americanas e as alegações de ciberespionagem e de interferência, o doping “patriótico” dos atletas russos, as incursões aéreas e marítimas das suas forças armadas no espaço geoestratégico da Aliança Atlântica, estas são algumas das grandes questões que aparecem ligadas às opções políticas do patrão do Kremlin. E que têm um impacto profundo nas relações internacionais.

Para além das sanções relacionadas com a crise ucraniana, a UE não tem sabido responder de modo coerente e estratégico aos desafios e às manobras assinadas por Putin.

Sou dos que advogam que é urgente definir uma posição política comum que responda às acções hostis que vêm de Moscovo. Sei que não será fácil definir um quadro que possa ser aceite por todos os aliados. Mas, apesar dessa dificuldade, é fundamental aprofundar a reflexão e propor uma resposta adequada.

Essa resposta deverá ter em conta a linha que Donald Trump venha a seguir em relação a esse mesmo assunto. Ter em conta não quer, no entanto, dizer alinhamento. Antes pelo contrário. A Europa deverá ter a sua própria posição política. Os sinais que nos chegam do outro lado do Atlântico são claros quanto à necessidade de uma resposta que seja inspirada pelos interesses europeus. E que sirva, igualmente, como um exemplo que não possa ser ignorado em Washington.

 

publicado por victorangelo às 20:37

09
Dez 16

Terminada que está a minha última viagem de um ano de muitas viagens, começa agora o período dos balanços. E, em certa medida, a preocupação é a de encontrar o ângulo positivo das coisas.

Não será fácil. Mas não é uma luta perdida.

Em termos da cena internacional, tem sido um ano de muitas decepções políticas e de grande instabilidade geoestratégica. Em termos mais terra a terra, foi um período de grande sofrimento para muitos, no Médio Oriente, no Norte de África e no Sahel, no Afeganistão e noutros sítios. Aqui, mais perto da nossa porta, foi mais um ano de crise na Ucrânia e no Mar Mediterrâneo, entre os imigrantes e os candidatos ao refúgio. Foi igualmente um tempo em que virou moda atacar o projecto europeu e botar as culpas em cima de Jean-Claude Juncker e de Donald Tusk.

Acabou, acima de tudo, por ser o ano de Donald Trump e o que isso significa em termos de agravamento das intolerâncias nos EUA e das tensões internacionais.

Para além de tudo isto, 2016 surgiu como um período que nos deixa uma enorme interrogação: qual deve ser o nosso desempenho público, que papel assumir, enquanto parte da Europa privilegiada e da elite que tem beneficiado da globalização das relações internacionais?

De imediato, a maneira positiva de ver essa interpelação deve passar pela coragem das opiniões expressas, pela continuação da luta pelo progresso social de todos os que o procuram e pela defesa dos direitos humanos e de liberdade de cada um de nós. Mais ainda, há que estar atento para não se cair nem no pessimismo que nos fecha os horizontes nem na crítica fácil, cínica e demolidora.

publicado por victorangelo às 20:22

14
Fev 15

Quando me reformei da ONU, recebi dois ou três convites, um deles para colaborar, de tempos a tempos, com a NATO. Desde então, participei em vários exercícios.

Esta semana estive noutro, na Noruega. E de repente apercebi-me que era o “avô” da coisa, o consultor mais velho.

Já tinha acontecido o mesmo noutras ocasiões. Mas como existe uma tradição de respeito pela idade e pela hierarquia, a minha velhice é aceite. Só que isso não chega. É preciso dar um contributo que valha a pena. Devo dizer que a experiência que tenho das relações internacionais, numa perspectiva civil, é apreciada. Quem manda nestas coisas de militares, na Aliança Atlântica, sabe que no mundo de hoje há vantagem em ter uma visão mais lata das questões de segurança e da resolução das crises. As armas são apenas um instrumento num painel muito mais vasto de opções. O painel é bem vasto, aliás.

Espero que os combatentes na Ucrânia se lembrem disso esta noite. O cessar-fogo, com início marcado para o meio da noite, é um primeiro passo para uma resolução, mais ou menos demorada, de uma crise profunda e bem complexa. Mas tem que ser posto em prática. Se não houver cessar-fogo estaremos perante um novo patamar de instabilidade. Não apenas na Ucrânia, diga-se com clareza.

publicado por victorangelo às 19:49

07
Fev 15

Decorre este fim-de-semana em Munique a edição 2015 da conferência sobre segurança. Com o tempo, estas reuniões anuais ganharam uma projeção única. Munique é, neste momento, o acontecimento anual mais importante sobre questões de segurança internacional.

Como não podia deixar de ser, a Ucrânia é o prato forte no menu de 2015.

Depois de ouvir o que foi dito hoje, de saber quem falou e o que disse, notou-se a ausência de uma posição europeia. Há vários países da UE a falar sobre o tema, mas não há uma declaração comum. É como se o Conselho Europeu estivesse relegado para um canto e impedido de se manifestar. Nem Donald Tusk nem a Alta Representante Federica Mogherini deram sinais de vida.

Creio que estou já a sentir saudades dos tempos de Herman van Rompuy, para não falar da argúcia com que Javier Solana, antes dele, falava destas coisas e acabava sempre por tomar uma posição pública.

A redução ao silêncio é a melhor maneira de dar cabo das instituições europeias.

publicado por victorangelo às 19:20

27
Jan 15

Um governo de extrema-esquerda na Europa sai dos padrões políticos habituais. Levanta, por isso, desafios significativos, em áreas consideradas de grande sensibilidade estratégica, que vão muito além da economia e das finanças públicas. Dou alguns exemplos muito concretos: a defesa comum, o fluxo de informações de segurança, o posicionamento em relação à Rússia e à crise na Ucrânia.

Tudo isto será certamente tido em conta nos próximos tempos. E irá pesar na equação relativa à negociação da dívida e no relacionamento político com esse governo.

Ninguém com responsabilidades de liderança irá tratar destas questões com uma cabeça ligeira.

publicado por victorangelo às 21:11

02
Dez 14

A questão do relacionamento da nossa parte do mundo com Vladimir Putine é hoje um dos principais temas de reflexão estratégica, em Bruxelas e noutras capitais da Aliança Atlântica. É um assunto prioritário, complexo e delicado.

publicado por victorangelo às 21:58

08
Set 14

A decisão de adiar a entrada em vigor da nova onda de sanções económicas e financeiras – aquilo que a Comissão Europeia chama “medidas restritivas” – contra a Rússia foi a mais apropriada. Foi tomada a pedido da Finlândia. Ou seja, de um país que tem uma ligação comercial estreita com a Rússia e que compreende que, nesta fase, há que esperar e ver o que vai acontecer com o cessar-fogo na Ucrânia.

 

Em diplomacia é preciso seguir o princípio da prudência. Pensar e agir com prudência é importante. Não se pode cair numa espiral de medidas e contramedidas. Quando há uma janela de oportunidade, como poderá ser agora o caso, a prudência aconselha-nos a aproveitá-la. Deitar água na fervura é melhor, nalguns momentos, que acrescentar achas à fogueira.   

publicado por victorangelo às 22:11

24
Jul 14

 

Putine depois dos estilhaços: Este é título do texto que hoje publico na Visão.

 

Passo a transcrever, a partir do meu manuscrito:

 

Putine depois dos estilhaços

Victor Ângelo

 

 

No seguimento do derrube do avião malaio, despenhou-se muito do apoio internacional a Vladimir Putine. O presidente russo, um líder que sabe quanto vale a opinião pública, passara meses na frente de guerra da informação sobre a Ucrânia, na Europa e noutras paragens. Tinha conseguido marcar pontos. Perdeu-os agora, com um tiro mal calculado. A força das imagens dos destroços, das vítimas e da angústia indescritível dos que perderam familiares por causa de um míssil que todos associam ao suporte militar que o Kremlin fornece aos homens armados que operam no Leste da Ucrânia, desestabilizou a estratégia de Moscovo. Putine vê-se agora forçado a jogar à defesa, pela primeira vez em muitos meses de crise. Tal como o local onde caiu a aeronave, o seu relacionamento com o mundo exterior assemelha-se a um campo de estilhaços.

 

Cabe agora ao nosso lado da Europa jogar as cartas mais apropriadas. Ou seja, definir com inteligência uma política europeia que saiba dosear de modo estratégico o pau e a cenoura. Sanções e diálogo político são as duas faces da moeda a pôr em jogo.

 

Primeiro, é fundamental que todos entendamos, sem hesitações, a ameaça permanente que representa para a UE ter um vizinho, grande e poderoso, que revela pouco respeito pelas normas internacionais, incluindo pelos velhos princípios do Acordo de Helsínquia de 1975 sobre a cooperação e a segurança na Europa. Devemos lembrar a Moscovo que a resolução pacífica dos conflitos e a não-intervenção nos assuntos internos de outros estados são dois dos pilares da estabilidade no nosso continente. Ingerências, por muito encobertas que possam acontecer, como é o caso na Ucrânia, com oficiais dos serviços especiais russos a dirigir, mascarados de rebeldes, as operações contra o governo de Kiev, são inadmissíveis. Hoje, com os meios de inteligência existentes, qualquer gato por muito bem escondido que esteja acaba sempre por ter o rabo de fora.

 

Segundo, convém ter presente os interesses comuns da UE e da Rússia. O diálogo político com o Kremlin deve sublinhar, com firmeza e clareza, que a paz e o desenvolvimento da Rússia passam, em grande medida, pela cooperação política e económica com a Europa. Sobretudo nas áreas do comércio, da energia e dos investimentos, na exploração do Ártico, na proteção do ambiente, incluindo no Mar Báltico, no domínio espacial, e nas questões mais imediatas relacionadas com o Irão, o Afeganistão, a luta contra o terrorismo e a proliferação de armas de vários tipos. As imensas riquezas da Sibéria e da parte asiática da Rússia só poderão ser valorizadas se existir uma conjugação dos esforços científicos, tecnológicos e de investimento entre ambas as partes, a ocidental e a russa. A alternativa – e esse é o grande desafio que a Rússia tem pela frente – é ver os chineses a invadir esses enormes espaços que continuam por explorar e a entrar, mais tarde ou mais cedo, em conflito aberto com Moscovo. No último ano, Putine e, em grande medida, Obama têm-se deixado enlear numa lógica de choque. Cabe aos líderes europeus romper essa espiral de confrontação e falar do futuro.

 

É possível que Putine não capte a magnitude da indignação que resultou do crime praticado pelos seus rebeldes. Como talvez também lhe custe aceitar que a OTAN e a UE não são as verdadeiras ameaças estratégicas para o seu país. E que continue, assim, na trajetória que tem seguido até hoje. Nesse caso, e este é o meu terceiro ponto, o regime de sanções contra os dirigentes russos tem que ser reforçado. Não se procura desestabilizar o poder a partir do interior. Trata-se, isso sim, de fazer ver que não se pode aceitar uma política externa como a que vem sendo praticada por Putine. Assim, e depois de se deixar claro que a porta do entendimento político continuará sempre aberta, haverá que tomar medidas muito concretas e fáceis de supervisionar. Estas passam pelo adiamento do fornecimento dos dois navios de combate porta-helicópteros da classe Mistral que a França deveria entregar à Rússia, o primeiro já em Outubro deste ano. E devem também incluir cláusulas que impeçam o acesso aos mercados financeiros da UE à companhia estatal de petróleos Rosneft e a outras empresas de relevo. Além disso, o grupo armado que opera no Leste da Ucrânia deve ser classificado como uma organização criminosa e os seus principais líderes objeto de mandatos de captura ao nível europeu.

 

Veremos o que será decidido esta semana em Bruxelas. Não sei se a União vai estar à altura dos acontecimentos. Ora, nestas coisas, a indecisão aumenta os riscos futuros.

publicado por victorangelo às 12:39

twitter
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
15
16

17
23

24
25
26
27
28
29
30


<meta name=
My title page contents
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO